São estrangeiros e têm formação superior os que mais visitam o Museu Nacional de Arqueologia

Data:

A maioria dos visitantes do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, é estrangeira e tem formação superior, segundo o estudo de públicos da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), realizado por investigadores do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL).
Os resultados destes indicadores ultrapassam a média nacional e, conjugando todas as variáveis, o ‘retrato robot’ do visitante mais provável aponta para uma mulher espanhola de 38 anos, licenciada em Direito ou Arqueologia, que demora cerca de uma hora a ver o museu. Tem hábitos de leitura, vai ao cinema e a espetáculos musicais – um pouco mais do que ao teatro -, e frequenta bibliotecas.
O Estudo de Públicos do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, resulta do inquérito aos visitantes de 14 museus nacionais, que decorreu durante o ano de 2015, em colaboração com o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL) do ISCTE-IUL.
Os resultados globais desse estudo foram apresentados em 2016, apontando tendências dominantes no conjunto dos 14 museus avaliados, como a juventude dos visitantes e a sua qualificação, o peso de estrangeiros, a importância das entradas gratuitas, na decisão ou calendarização da visita – sobretudo para os portugueses -, e a necessidade de melhoria da comunicação, nas redes sociais.
Desde então, no entanto, tem vindo a ser desenvolvida a análise dos elementos de cada museu, e os dados do Nacional de Arqueologia, em Lisboa, juntam-se agora aos do museu do Azulejo, também na capital portuguesa, conhecidos em maio deste ano, e aos do museu Machado de Castro, em Coimbra, divulgados no passado dia 08.
As tendências registadas no museu de Arqueologia seguem de perto as globais, destacando-se, porém, a qualificação escolar dos seus visitantes, com 75% a apresentar níveis acima do secundário (licenciaturas, mestrados, doutoramentos), um pouco mais do que os 73% gerais. A prevalência é superior nos estrangeiros (80%) em relação aos inquiridos portugueses (66%).

Mulheres são maioria

A idade média dos públicos é 38 anos, segundo os dados divulgados, com 70% dos visitantes a situaram-se abaixo dos 45, e só 5,7%, a somar 65 ou mais de vida. O escalão etário com maior peso percentual é o dos 25 aos 34 anos (27%).
Segundo os dados do CIES-IUL, são as mulheres que mais visitam o museu (56,5%), sobretudo nos escalões mais jovens (até aos 34 anos), enquanto nos escalões mais altos estão os homens à frente, representando, porém, pouco mais de 43% do público.
O estudo demonstra igualmente que predominam públicos estrangeiros (62%), sobretudo de nacionalidade espanhola (20%) e brasileira (18%), enquanto no conjunto dos 14 museus estudados há mais franceses (25%). Porém, 4% dos públicos estrangeiros residem habitualmente em Portugal, enquanto 1,3% dos portugueses que visitam o museu, o fazem de passagem pelo país, pois são emigrantes, destaca o relatório.
Os dados recolhidos atestam que 28% dos públicos têm tendência a regressar ao museu, num período inferior a seis meses, particularmente se forem portugueses (60%).
Quanto ao tempo despendido na visita, mais de metade diz que decorreu de forma rápida (44%), durante perto de uma hora. No polo oposto estão as visitas muito demoradas, com duas horas ou mais (5%).
Diz ainda o estudo que “é entre os estrangeiros que se verificam as percentagens mais elevadas de entrada paga, em especial com bilhete normal (53% contra 42% dos portugueses), mas também com desconto (30% face a 24%)”. Entre os inquiridos portugueses, há preferência pela visita ao museu quando o acesso é gratuito (28% contra 15% dos estrangeiros).
O interesse pelo museu de Arqueologia e suas coleções é o principal motivo de visita (87%).
Os resultados apontam para avaliações positivas (muito satisfeito e satisfeito), com a arquitetura do edifício (Mosteiro dos Jerónimos), os funcionários e as exposições (acima dos 90%).
A demora nas bilheteiras – que foram automatizadas há duas semanas – era o principal fator de avaliação negativa.
O Museu Nacional de Arqueologia foi fundado em 1893 pelo arqueólogo e etnólogo José Leite de Vasconcelos, e está instalado no Mosteiro dos Jerónimos desde 1903.
O acervo inclui antiguidades egípcias, escultura romana, vasos gregos, ourivesaria arcaica, coleções de numismática e medalhística, além de uma biblioteca e de um arquivo histórico.
A múmia egípcia da coleção tem mais de 2.000 anos e um cancro na próstata, que a tornou um caso único a nível mundial.
Em 2017, o Museu Nacional de Arqueologia foi o quarto mais visitado, entre os tutelados pela DGPC, com perto de 168 mil visitantes, depois do museu dos Coches (350 mil), do Museu Nacional de Arte Antiga (213 mil) e do Museu Nacional do Azulejo (194 mil), segundo dados oficiais.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.