Governo vai adquirir 715 autocarros para transporte público em todo o país

Data:

O Governo vai adquirir 715 novos autocarros para reforçar as frotas de transportes públicos de todo o país, num investimento que ascenderá a 220 milhões de euros.
Falando na apresentação dos veículos que irão reforçar a frota da empresa rodoviária Carris, que opera na zona de Lisboa, o ministro do Ambiente e Transição Energética afirmou que “estes 15 autocarros fazem parte dos 715 autocarros que estão a ser comprados no país todo”.
“Estamos a falar de um investimento de 220 milhões de euros, naquele que é o maior programa que conhecemos […] que está a ser feito nos países da União Europeia para aumentar e renovar a frota de autocarros, todos eles com elevada performance ambiental”, declarou João Matos Fernandes.
De acordo com Matos Fernandes, “estes 715 autocarros dividem-se em dois blocos dentro do POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos), que é o programa que os financia parcelarmente”.
“No primeiro aviso, há cerca de um ano e meio, 15% dos autocarros eram elétricos. No segundo aviso, que encerrou há menos de um mês, 41% dos autocarros são elétricos”, explicou, referindo que “nenhum é a diesel, os outros são a gás natural”.

Novas composições para Metro de Lisboa

A par deste investimento, o Governo vai aplicar 137 milhões de euros na “aquisição das novas composições para o metro de Lisboa e para o seu novo sistema de sinalização”.
Segundo o governante, o “concurso foi lançado”, existem “quatro concorrentes e está neste momento a decidir-se quais são os que passam à fase seguinte”.
João Pedro Matos Fernandes referiu também que o Metropolitano de Lisboa chegou a ter 30 comboios parados, mas neste momento tem oito, e por isso a capacidade de oferta da empresa “vai ser muito maior”.
Na apresentação, que decorreu na estação da Carris de Miraflores, concelho de Oeiras (distrito de Lisboa), Matos Fernandes firmou o compromisso de que em 2050 “o país será mesmo neutro em emissões carbónicas”.
“Vamos mesmo conseguir reduzir de seis para um, que é um desafio enorme, aquilo que são as emissões carbónicas do nosso país”, acrescentou, falando numa meta de diminuição de 98% de emissões por parte do setor dos transportes.
Para tal, “em 2050 toda a mobilidade terrestre será elétrica”.
Questionado sobre a redução tarifária que está previsto entrar em vigor em abril do próximo ano, o ministro salientou que é “para todo o país”, e explicou que “as duas áreas metropolitanas e cada uma das comunidades intermunicipais vai receber uma transferência de dinheiro do Orçamento do Estado, do qual 60%, no mínimo, tem de ser dedicado a reduzir o tarifário”.
“Estimo que as duas áreas metropolitanas até venham a utilizar 100% da verba transferida”, continuou, apontando que “nos sítios onde a oferta seja hoje menos robusta, os outros 40% podem ser utilizados no reforço dessa mesma oferta, na qualificação das paragens de autocarro, na sua extensão, no que entenderem”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.