Aprovados projetos de expansão dos metros de Lisboa e Porto

Data:

O Conselho de Ministros aprovou os projetos de expansão dos metros de Lisboa e do Porto, que em conjunto representam um investimento de 517 milhões de euros, 190 milhões dos quais comparticipados com fundos europeus, segundo o Governo.
O comunicado divulgado após a realização do Conselho de Ministros especifica que foi autorizada a realização de despesa referente aos dois projetos: “concretização do Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa, através do prolongamento das linhas Amarela e Verde”, e “construção de novos troços do Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto, incluindo os troços Casa da Música – São Bento e a expansão da linha Amarela, que inclui a construção de um Parque de Material e Oficina em Vila D’Este”.
Numa nota divulgada posteriormente, o Ministério do Ambiente, que tutela os transportes urbanos, confirmou a aprovação dos projetos das duas empresas, recordando que ambas as obras terão início no primeiro semestre de 2019, com conclusão prevista em 2023.
Em Lisboa, a empreitada vai custar 210,2 milhões de euros e envolve a construção de um troço de dois quilómetros entre o Rato (linha Amarela) e o Cais do Sodré (linha Verde).
Do total da verba, 83 milhões são comparticipados pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos.
Serão construídas duas novas estações (Estrela e Santos), a estação do Cais do Sodré vai ser remodelada e haverá também intervenções nos viadutos do Campo Grande para ligar as linhas Verde e Amarela.
No dia 27 de novembro, o Metropolitano de Lisboa anunciou que a Agência Portuguesa do Ambiente emitiu uma Declaração de Impacto Ambiental (DIA) favorável condicionada ao projeto, que cria uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais.
Segundo a DIA, a criação da linha circular poderá pôr em risco vários monumentos nacionais, como o Aqueduto das Águas Livres e o Jardim da Estrela.
O documento indica também que a construção da linha circular obriga a deslocar a linha de comboio entre Santos e Cais do Sodré durante 44 meses.

Nova linha no Metro do Porto

No Porto, o projeto custa mais de 307 milhões (107 milhões do POSEUR) e implica construir uma nova linha de 2,8 quilómetros, a linha ‘rosa’, entre a Casa da Música e São Bento, com as novas estações subterrâneas Casa da Música, Galiza, Hospital de Santo António e São Bento.
Ainda no âmbito desta obra, será construído um parque de material e oficina em Vila D’Este e a linha Amarela será expandida, entre Santo Ovídeo e Vila D’Este, num troço de 3,2 quilómetros com três novas estações: Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Vila D’Este.
Aos 307 milhões somam-se 56,1 milhões de euros em manutenção e na compra de 18 novas carruagens para o Metro do Porto.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.