Futuro navio da Marinha realiza as provas de mar com sucesso

Data:

O futuro NRP Setúbal, atualmente em fase final de construção na cidade de Viana do Castelo pelo consórcio WestSea/Edisoft, realizou na semana passada as respetivas provas de mar com sucesso.

Estas provas visaram testar o navio em condições limite e consistiram na execução de ações que avaliaram funcionalmente o comportamento e manobra no mar, a resposta das instalações propulsora e elétrica, bem como dos respetivos sistemas de automação. Foram ainda testados os sistemas de navegação, comunicações, emergência e diversos equipamentos auxiliares. Este marco foi ultrapassado permitindo prosseguir a respetiva fase final de construção.

O próximo navio patrulha oceânico, “Setúbal”, será o quarto navio da classe construído em Portugal, após os NRP Viana do Castelo, NRP Figueira da Foz e NRP Sines, atualmente no ativo. Estes navios vêm substituir as corvetas com mais de 40 anos.

O futuro NRP Setúbal será comandado pelo capitão-tenente Zambujo Madeira e terá uma guarnição de 44 elementos.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.