Ex-futebolista do Canelas condenado por agressão a árbitro

Data:

O Tribunal de Gondomar condenou hoje a 11 meses de prisão, com pena suspensa por dois anos sob condições, o ex-futebolista do Canelas 2010 Marco Gonçalves, por agredir o árbitro que o expulsou durante um jogo em Rio Tinto.

A juíza do processo, Alexandra Lopes, deu como provada a acusação de que o jogador agarrou o árbitro pelo pescoço, puxou-lhe a cabeça e deu-lhe uma joelhada, atingindo-o na cara, especialmente no nariz.

Ao contrário, a magistrada judicial considerou não ter reunido prova de outra imputação do Ministério Público, segundo a qual o arguido teria proferido expressões atentatórias da integridade física do árbitro José Rodrigues, quando a vítima estava a ser socorrida nos acessos aos balneários.

Face a depoimentos contraditórios, a magistrada optou, neste caso, pelo princípio “in dubio pro reo” (na dúvida favoreça-se o arguido).

O ex-jogador foi assim condenado pela prática de um crime de ofensa à integridade física qualificada e absolvido de outro de ameaça agravada.

A juíza fixou ainda uma indemnização a pagar pelo ex-jogador ao árbitro, no valor global de 12.700 euros.

Para manter a suspensão da pena, Marco Gonçalves terá de pagar parte da indemnização (3.600 euros) em dois anos, não frequentar recintos desportivo durante 11 meses e submeter-se a acompanhamento por técnicos da Reinserção Social.

O árbitro tinha pedido 32 mil euros, 25 mil pelos danos morais que sofreu e sete mil pelo que deixou de ganhar durante a paragem forçada na sequência da agressão.

O arguido “agiu com a intenção deliberada e consciente” de agredir o árbitro, considerou a juíza, ao ler a sentença, relevando também a circunstância agravante de Marco Gonçalves ter antecedentes criminais, incluindo por ameaças e injúria agravadas, mas sublinhou igualmente atenuantes como a confissão dos factos e os pedidos de desculpa à vítima.

“Confessou sem qualquer reserva a agressão e mostrou-se arrependido”, afirmou.

A decisão da juíza Alexandra Lopes vai ao encontro do pretendido pelo Ministério Público que, nas alegações finais do processo, em 07 de novembro, pediu a condenação a prisão efetiva de Marco Gonçalves pela agressão, mas admitiu ter dúvidas quanto às alegadas expressões intimidatórias.

Falando aos jornalistas após a leitura da sentença, o advogado de Marco Gonçalves, Nelson Sousa, disse que ainda vai ponderar um eventual recurso para o Tribunal da Relação do Porto.

Os factos remontam a 02 de abril de 2017, no decorrer de um jogo de futebol entre o Rio Tinto e o Canelas 2010, a contar para a fase de subida do Campeonato Distrital do Porto. Segundo a acusação, Marco Gonçalves, depois de agarrar o juiz pelo pescoço e de fazer a “gravata”, “puxou-lhe a cabeça e desferiu-lhe uma pancada com o joelho, atingindo-o na cara, especialmente no nariz”.

Ainda de acordo com a acusação, quando o árbitro era socorrido pelo massagista da equipa do Rio Tinto, o arguido dirigiu-se a ele novamente, proferindo expressões intimidatórias da sua integridade física e suscetíveis de coartar a liberdade pessoal do ofendido.

Em fase de produção prova, este último detalhe da acusação suscitou depoimentos contraditórios, ao contrário da agressão, que foi reconhecida por todos, incluindo o arguido.

Na primeira audiência de julgamento, em 12 de outubro, o futebolista disse mesmo que “nada explica uma agressão” como a que protagonizou e manifestou-se “arrependido”.

Na altura dos factos, o jogador do Canelas foi suspenso por quatro anos e cinco meses pela Comissão de Disciplina da Associação de Futebol do Porto (AF Porto).

Além da suspensão, o atleta teve de pagar uma indemnização ao árbitro de 4.125 euros e outra à Associação de Futebol do Porto no correspondente a 20% daquele montante.

Por seu lado, o Canelas 2010 foi sancionado com a pena de derrota no jogo com o Rio Tinto, ao qual teve de pagar uma indemnização de 1.605 euros, a que acresceu um pagamento à AF Porto de 20% desse montante.

O clube de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, foi ainda multado em mais 400 euros.

Depois do sucedido, que chegou a ser noticiado por agências internacionais, os dirigentes do Canelas 2010 garantiram que o jogador não voltaria a representar as cores do clube.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.