Euromel: Mel e Pólen produzidos na zona privilegiada da Serra da Malcata

Data:

É na Serra da Malcata, onde a natureza ainda se encontra intacta e admirável, que ocupa a Reserva Natural com 21000 hectares, de relevo ondulado e com a presença de bosques de carvalhos a Norte e com grandes áreas de matagal mediterrânico. É a sétima elevação de Portugal Continental, onde nasce o rio Bazágueda, afluente do Erges e é lá que cerca de 1000 colmeias e milhões de abelhas extraem os produtos das plantas, num espaço de baixa actividade humana.

Foi aqui que o trineto de Jorge Almeida Lima, Frederico Horgan, se estabeleceu com um irmão, depois de decidirem recuperar as velhas colmeias que, em 1898, Jorge de Almeida Lima explorava na Quinta do Lameiro, em Benfica. Com muito trabalho e passo-a-passo, ou seja, colmeia a colmeia e atraídos por esta terra de Penamacor, na Quinta dos Pocinhos, nasce e cresce a Euromel.

Agora com ainda maiores e mais modernas instalações, a Euromel, criada em 1989, que Frederico Horgan, sua mulher e filho (também ele Frederico), embalam, comercializam e exportam as variedades do puro mel e outros produtos das abelhas que, ao longo do tempo, se produziram com a marca Serramel como, por exemplo, os méis com frutas, as granolas com mel e a criação de uma nova marca: a “Beirabaga – Doces de Frutas Tradicionais e Amêndoas”.

Esta empresa inclui toda a fileira. Desde a produção, que ronda as 30 toneladas anuais, à compra de mel a outros apicultores nacionais, ao embalamento e comercialização.

Cerca de 40% das vendas destinam-se à exportação e 60% ao mercado Nacional

Dentro da Apicultura, a marca Serramel oferece uma variedade muito grande de méis de diferentes proveniências florais e que são produzidos em Portugal e não só na região da Beira Baixa, dado fazerem transumância das colmeias (procura de novas florações em diferentes regiões, o que permite duas produções anuais), como o Mel de Carvalho e a compra a apicultores de outras regiões de Portugal – Mel de Laranjeira, Mel de Rosmaninho das Serras do Algarve, Mel de Eucalipto. Depois ainda há o mel com frutos secos e os produtos dietéticos das abelhas (Pólen, Mel com Própolis, Mel com Geleia Real e Mel com Pólen). Com “casa nova”, ou melhor, “casa ampliada”, depois de quase dois anos de obras e em vias da implementação das certificações internacionais ISO 9001 e IFS até ao fim deste ano, que lhe permitirá novas perspetivas de exportação.

Em visita às instalações foi-nos referido que estas certificações já são exigidas por alguns clientes do continente americano e europeu.

Fomos recebidos por Rita Horgan, já que Frederico Horgan, neste dia, andava no campo a ver as suas obreiras que produzem a matéria prima que os seus 18 dedicados funcionários, tratam com amor e carinho. Rita Horgan refere-nos em termos de novidades: “Criámos o “Mel de Queiró da Serra da Malcata” nos anos 80, há quase 40 anos. Com a evolução da flora da Serra da Malcata (progressiva florestação com castanheiros, embora a urze queiró ainda seja abundante) e a busca pelas abelhas do néctar dos castanheiros do norte da serra, assim como o aumento da procura deste produto que nos obrigou a adquirir mel de queiró e castanheiro a apicultores de outras serras de Portugal. Foi agora o momento de, por uma questão de autenticidade, alterarmos o nome deste produto para “Mel de Queiró e Castanheiro”. As características do produto em quase nada se alteraram, pois é apenas uma evolução/retificação da sua denominação.

Nos anos 90 do século passado, por razões semelhantes, mudámos o nome do produto “Mel de Rosmaninho Serra da Malcata” para o atual “Mel de Rosmaninho Serramel” e a transição foi um sucesso” Também nos informou, com enorme satisfação, que este mesmo Mel de Queiró e Castanheiro conquistou a Medalha de Prata 2018 na categoria mel Multiflora no Concurso Nacional de Mel de 2018, da FNAP – Federação Nacional dos Apicultores de Portugal, no âmbito da Feira Nacional de Agricultura de Santarém com o apoio do CNEMA – Centro Nacional de Exposições do Mundo Agrícola.

E refere – “Este saboroso Mel de Queiró e Castanheiro, é produzido pelas colmeias da Serra da Malcata e de outras serras do centro e norte de Portugal. É um mel de cor escura e com um característico paladar a urze, atenuado pela presença de castanheiro”

Sobre os mercados internacionais salienta “chegámos ou estamos nos quatro continentes, em mais de vinte países e queremos, no entanto, continuar a crescer nesses mesmos mercados e noutros. Desde os EUA e Canadá ao Vietname, China, Japão, Dubai, Angola e na maioria dos países da Europa, se encontram os nossos produtos. Os mercados são cada vez mais exigentes e as certificações irão ser um maior garante da alta qualidade e segurança. Mas a empresa e a sua equipa gostam de ir sempre para além do convencional e, por isso, oferece uma variada gama de méis, mel com frutos secos, mel com cristalização extrafina, dietéticos, embalagens especiais e granolas com mel que são inovações.

A Euromel marca sempre presença, desde a II edição, no SISAB PORTUGAL, ou seja, Frederico Horgan é um dos fundadores desta Feira da Exportação. É caso para se dizer que foi “picado pelo bichinho da abelha” e vai continuar a apostar na sua presença no próximo evento em Fevereiro de 2019.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.