Ocupação hoteleira baixou em julho e fixou-se nos 80%

Data:

A taxa de ocupação hoteleira baixou 2,3 pontos percentuais no mês julho, fixando-se nos 80%, revela um relatório da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP). Hotéis de três estrelas foram os mais procurados.

Segundo o ‘AHP Tourism Monitors’, a ferramenta de recolha de dados da hotelaria nacional trabalhados mensalmente pela AHP, o mês de julho de 2018 registou, a nível nacional, uma taxa de ocupação de 80%, com os preços a crescerem a dois dígitos.
Por destinos turísticos, Lisboa (87%), Açores (85%) e Algarve (84%) atingiram as taxas de ocupação mais elevadas. Em variação, Leiria/Fátima/Templários (-9%), Madeira (-9,2%) e Açores (-5,6%) registaram uma “quebra significativa”, informa a Associação da Hotelaria de Portugal numa nota enviada ao ‘Mundo Português’.
O ARR (preço médio por quarto ocupado) fixou-se nos 117 euros, mais 11% do que em igual período do ano passado, com o Algarve (162 euros) a registar a melhor performance, seguido do Estoril (131 euros) e de Lisboa (125 euros). Já o RevPar (receita por quarto disponível) registou um aumento de 12%, atingindo os 94 euros. Em termos relativos, destaque para Coimbra com um crescimento de 31%, seguido do Alentejo com 23% e de Lisboa com 19%.
Pelo segundo mês consecutivo, a categoria três estrelas foi a que registou um maior crescimento no ARR e RevPar, de 20% e 16%, respetivamente.

Destinos do interior com crescimento

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP revela que “dos catorze destinos analisados pelo Hotel monitor, nove apresentaram resultados negativos na taxa de ocupação e um estagnou neste indicador”.
“A boa notícia vem de um crescimento muito expressivo neste indicador nos destinos do interior neste mês. Nos destinos sol e mar esta queda já era prevista, com um mês de julho frio, o mais frio desde 2000, levando a que parte dos mercados norte-europeus ficasse ‘em casa’”, acrescenta, citada na nota da AHP.
Na região do Minho, a taxa de ocupação quarto em julho foi de 65%, revelando uma quebra de 5,%. face ao período homólogo. Já no Grande Porto, o ARR apresentou uma variação positiva de 3%, enquanto o RevPar se fixou nos 93 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 83%, menos 2,3% do que em julho de 2017, a registar ainda a quebra deste indicador em todas as categorias.
Por outro lado, o destino turístico Beiras apresentou variações positivas de 7,5% na taxa de ocupação quarto e 12% na receita por quarto disponível face ao período homólogo, o mesmo acontecendo com a região de Coimbra, onde as unidades hoteleiras tiveram uma taxa de ocupação quarto de 80%, o que representa um aumento de 10,7%.
No distrito de Viseu, a taxa de ocupação quarto foi de 46%, uma ligeira quebra de 0,8% face a julho de 2017, enquanto no Oeste do país a taxa de ocupação quarto foi de 65%, registando também uma quebra de 3,2% em relação a julho do ano passado.
Na região Leiria/Fátima/Templários, o mês de julho registou uma quebra da taxa de ocupação quarto em 9,7%, atingindo os 53%. Já no destino Estoril/Sintra a hotelaria apresentou variações positivas em 5% no que concerne à receita por quarto disponível, e negativas de 4,5% na taxa de ocupação quarto, fixada em 78%.
Na região de Lisboa a ocupação mostrou uma ligeira subida de 0,5% enquanto na Costa Azul as unidades hoteleiras tiveram mais 1,3% de ocupação em relação a julho de 2017.
Os hotéis do Alentejo também aumentaram a taxa de ocupação em julho (+6,1%), enquanto no Algarve a mesma taxa baixou (-1,6%).
Nas ilhas, a hotelaria da Madeira também se ressentiu em julho, tendo sofrido uma queda de 9,2%, com o preço médio por quarto ocupado, de 81 euros.
A diminuição de dormidas foi sentida ainda nos Açores (-5,6%). Apesar desta quebra, este destino foi segundo na taxa de ocupação no total dos destinos analisados pelo Hotel Monitor.

Ana Grácio Pinto

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.