Confiança dos consumidores portugueses diminuiu e sentimento económico na zona euro recuou pelo 8.º mês consecutivo

Data:

O indicador de confiança dos consumidores diminuiu entre junho e agosto, enquanto o indicador de clima económico estabilizou em agosto, após ter atingindo em julho o valor máximo desde maio de 2002, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores, efetuados em agosto pelo INE, revelaram que a redução do indicador de confiança dos consumidores em agosto resultou do contributo negativo de todas as componentes, entre as quais se destacaram as perspetivas da evolução do desemprego e da situação económica do país.

O indicador de confiança da indústria transformadora aumentou em julho e agosto, após ter diminuído nos primeiros seis meses do ano.

“A evolução do indicador refletiu o contributo positivo das perspetivas de produção e das apreciações sobre a procura global, enquanto o saldo das opiniões sobre a evolução dos stocks de produtos acabados apresentou um contributo nulo”, explica o INE.

O indicador de confiança da construção e obras Públicas diminuiu em julho e agosto, depois de em junho chegar ao valor máximo registado desde março de 2002, refletindo assim o contributo negativo das opiniões sobre a carteira de encomendas e das perspetivas de emprego.

No comércio, o indicador de confiança diminuiu entre junho e agosto, segundo o INE, em resultado do contributo negativo, no último mês, das opiniões sobre o volume de vendas, uma vez que as apreciações relativas ao volume de stocks e as perspetivas de atividade contribuíram positivamente.

O indicador de confiança dos serviços aumentou entre maio e agosto, atingindo o máximo desde agosto de 2001, adianta o INE, verificando-se no último mês uma evolução positiva das apreciações sobre a atividade da empresa e sobre a evolução da carteira de encomendas.

Sentimento económico na zona euro recua em agosto pelo 8.º mês consecutivo

O indicador do sentimento económico recuou 0,5 pontos na zona euro em agosto, o que representa o oitavo mês consecutivo em queda, permanecendo estável na União Europeia, face a julho, segundo dados hoje divulgados pela Comissão Europeia.

Na zona euro, o indicador do sentimento económico recuou em agosto 0,5 pontos para os 111,6 pontos, mantendo a tendência em baixa verificada desde janeiro.

Já no conjunto da UE, depois da ligeira subida de 0,1 pontos registada entre junho e julho – que inverteu a tendência de queda que também se registava desde o início de 2018 -, o indicador permaneceu estável em agosto, nos 112,3 pontos.

Segundo a Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, considerando as cinco maiores economias da zona euro, em agosto o sentimento económico manteve-se virtualmente estável na Alemanha (-0,1 pontos), recuando em França (-1,3 pontos), Itália (-0,8), Espanha (-0,7) e Holanda (-0,5).

Entre as principais economias fora da zona euro, o indicador registou uma subida significativa na maior economia sem a moeda única, a do Reino Unido (1,5 pontos, depois de em julho já ter progredido 1,6 pontos), mas recuou de forma também significativa na Polónia (- 1,3 pontos).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.