Carlos Moedas afirmou em Marvão: Tecnologia pode ajudar a diminuir as desigualdades

Data:

O comissário europeu da Ciência e Inovação Carlos Moedas disse recentemente em Marvão, distrito de Portalegre, que a tecnologia pode ajudar a reduzir as desigualdades, salientando que é cada vez mais inclusiva e permite maior acesso à economia.

“Eu acho que a tecnologia pode ser o grande motor para ajudar a reduzir as desigualdades”, disse o responsável europeu à margem da escola de verão da Comissão Europeia, Summer CEmp, que decorre em Marvão.
Carlos Moedas salientou que a tecnologia pode ser um instrumento alternativo à fiscalidade para reduzir as desigualdades, apontando novas tecnologias como o ‘blockchain’ ou a computação quântica como exemplos positivos.
O ‘blockchain’ faz “algo extraordinário na economia” porque elimina os intermediários e põe diretamente duas pessoas em contacto para fazer uma transação, destacou.
“Isto tem a vantagem de trazer para a economia pessoas que muitas vezes nem sequer faziam parte da economia. Além disso, tem a capacidade de registar transações sem que esse registo possa ser apagado ou destruído por um ditador”, acrescentou o comissário europeu.

Embora reconheça que algumas pessoas podem ficar de fora neste mundo digital, Moedas sustentou que a tecnologia é cada vez mais inclusiva e fácil de usar, possibilitando o “acesso a todos”, inclusivamente às crianças, e que mesmo as gerações mais velhas podem adaptar-se se tiverem “os instrumentos necessários”.
Em alguns países africanos, continuou, foi a tecnologia que “lhes trouxe a primeira experiência bancária” e permitiu às mulheres controlar a conta bancária das famílias através do telemóvel.
Sobre o contributo que a Comissão Europeia pode dar para aumentar a inclusão tecnológica deu como exemplo um projeto que permitiu a todas as pequenas cidades e vilas europeias ter internet gratuita em espaços públicos.
Perante a plateia de jovens participantes do Summer CEmp que estiveram à conversa com o comissário europeu no jardim do Castelo de Marvão, Carlos Moedas mostrou uma visão otimista, destacando os aspetos positivos da inovação tecnológica e incentivou: “não tenham medo das máquinas”.
O Summer CEmp, que decorreu em Marvão, abordou formatos práticos de aprendizagem como debates, exercícios práticos e conversas para melhorar o conhecimento sobre o projeto europeu e envolver “os futuros líderes de opinião” no debate sobre os possíveis cenários após os 60 anos da fundação da União Europeia.
A iniciativa da representação portuguesa da Comissão Europeia conta com meia centena de jovens universitários, de todo o país, que vão debater o futuro da Europa com alguns dos seus principais protagonistas.
Entre os participantes deste “seminário intensivo e interativo” incluiram-se, além do comissário Carlos Moedas, o primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, os ministros da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e da Agricultura, Luís Capoulas Santos, e vários eurodeputados.
Segundo um comunicado da organização, os universitários, entre os 18 e os 30 anos e provenientes de todo o país, foram selecionados “por concurso, com base no seu perfil e motivação” e têm formação em várias áreas, das relações internacionais à ciência política, passando pelo jornalismo, economia, engenharias e medicina.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.