“Rentrée” cultural portuguesa na região francesa de Hauts-de-France

Data:

A região de Hauts-de-France, no norte de França, vai ter “uma rentrée portuguesa” preenchida com vários eventos culturais que destacam um país que “está na moda”, disse à Lusa o cônsul honorário de Lille, Bruno Cavaco.

Também presidente do Comité France Portugal Hauts-de-France, um grupo criado para promover Portugal na região, Bruno Cavaco explicou que o programa envolve concertos, exposições, conferências, encontros de empresários e até a criação de um “jardim português” no âmbito do centenário da Primeira Guerra Mundial.

“Vai ser uma ‘rentrée’ portuguesa bem preenchida. Portugal está na moda, há um interesse e um entusiasmo da região Hauts-de-France por Portugal que começou com as comemorações do centenário da Primeira Guerra Mundial. Depois houve esta vontade de desenvolver a cooperação entre a nossa região e Portugal”, explicou o lusodescendente, recordando a participação dos presidentes português, Marcelo Rebelo de Sousa, e francês, Emmanuel Macron, nas comemorações da batalha de La Lys, a 9 de abril deste ano.

A 13 de setembro, no espaço Euratechnologies, em Lille, vai haver um encontro de “‘startups’ francesas de origem portuguesa”, animado pela LusoTech Community, uma rede de empresas inovadoras com ligações a Portugal.

A 16 de setembro, no aeródromo de Merville, vai realizar-se o encontro aéreo anual, que vai contar com um helicóptero EH-101 Merlin da Força Aérea Portuguesa, “uma ocasião para homenagear também os pilotos portugueses que combateram na Primeira Guerra Mundial”.

A 29 e 30 de setembro, na sala de concertos l’Aéronef, em Lille, vai ser dado o pontapé de saída do ‘PRT+’, uma temporada artística com Portugal em destaque, que vai contar com uma conferência sobre “Músicas atuais e emergência artística em Portugal”, gastronomia, e concertos de Nádia Leirião, Diron Animal, Moullinex, La Flama Blanca, HHY&The Macumbas e Bateu Matou.

A 20 de outubro, no museu La Piscine, em Roubaix, vai ser inaugurada uma exposição de Hervé Di Rosa, artista francês co-fundador da Arte Modesta que vive em Lisboa e que vai apresentar as suas mais recentes obras em cerâmica, criadas no seio de uma das fábricas históricas de azulejos em Portugal, a Viúva Lamego.

Intitulada, “L’Oeuvre au Monde”, a exposição vai decorrer até 20 de janeiro, apresentando as obras que Hervé Di Rosa tem feito ao longo da sua “volta ao mundo das artes”, uma viagem que o levou a conhecer artesãos de todo o mundo e em que a 19.ª etapa é Lisboa.

Paralelamente, duas outras exposições de Hervé Di Rosa vão estar patentes no Musée du Touquet-Paris-Plage, em Le Touquet-Paris-Plage, de 20 de outubro a 19 de maio, e na Galerie Art To Be, em Lille, de 14 de dezembro a 31 de janeiro.

A 11 de novembro, ainda no âmbito do centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, vai ser inaugurado um “jardim português”, intitulado “Théâtre de Verdure”, na cidade de Le Quesnoy, da autoria dos arquitetos paisagistas Baldios e da plataforma KWY.studio.

O projeto vai ser concretizado no âmbito da criação de 15 “Jardins da Paz”, realizados por arquitetos paisagistas de diferentes países que participaram na guerra de 1914-18.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.