Novidades no Ensino Português no Estrangeiro para 2018-2019

Data:

O próximo ano letivo trará novidades um pouco por todo o mundo.

Em França, a Coordenação iniciou, em 2017-2018, o ensino do português em duas secções internacionais, uma no Collège Vauban, em Estrasburgo, outra no Collège Lucien Cézard, em Fontainebleau. “Em setembro vai abrir uma secção internacional em Bry-sur-Marne, na periferia de Paris, onde há uma fortíssima comunidade portuguesa e onde os cursos EILE estão bem implantados no ensino primário, e isto é uma continuidade extremamente importante”, sublinhou Adelaide Cristóvão à margem do Encontro.

Já em Espanha, a grande novidade será a assinatura do memorando de entendimento entre o Camões, I.P. e a Comunidade Autónoma de Castela e Leão. “Estamos nas últimas etapas de negociação, demos um salto qualitativo e já conseguimos chegar a um texto final. Se tudo correr bem em setembro ou outubro assinaremos o memorando”, revelou Filipa Soares. O português já é ensinado como língua estrangeira naquela região autónoma, mas passará a sê-lo de uma forma mais abrangente. “E, sobretudo, o estatuto da língua, ainda que integrado no sistema, passa a ser mais valorizado”, acrescentou.

No Luxemburgo, onde a língua portuguesa foi ensinada a 2.800 alunos por 25 professores em 2017-2018, no próximo ano letivo a tendência será de chegar a cerca de 2.900 alunos, desde o pré-escolar ao ensino superior, avançou Joaquim Prazeres. Haverá ainda reforço em algumas modalidades de ensino. “Para além do ensino complementar, o paralelo é outra das modalidades que estamos a trabalhar para reforçar, com o aumento do número de inscritos e a diversificação dos locais. E estamos a apostar no ensino secundário. É uma aposta que até aqui não tem sido feita”, explicitou.
Um primeiro passo está a ser dado em liceus de prestígio no Luxemburgo, como é o caso do Liceu Vauban, uma escola privada.
“O nosso objetivo é ‘entrar’ nos liceus e sensibilizar a comunidade e os alunos que estão neste momento no ensino secundário, para a importância do português. E criar o gosto pela aprendizagem do português no Luxemburgo”, referiu ainda, revelando que o ensino do português a nível secundário, como atividade de opção, será oferecido em quatro liceus do país, no ano letivo que se inicia em setembro.

Nos EUA, onde há 18 mil alunos a aprender português, nos níveis básico e secundário e cerca de 9.500 no superior, o desafio para 2018-2019 está no ensino público. “Queremos integrar o mais possível o português no curriculo americano e para isso temos de apostar em memorandos de entendimento com os distritos escolares e com os departamentos de educação”, avançou João Caixinha.

E na Austrália, onde o ano letivo só termina em dezembro, o foco esteve na ‘estabilização’ das escolas, disse a coordenadora do EPE naquele país. “Recentemente abrimos cinco novas escolas e atualmente em todos os estados da Austrália há uma escola de língua portuguesa. A ‘estabilização’ dessas escolas passa pelo financiamento estadual, ou seja, a Coordenação de Ensino e os professores concorrem a bolsas atribuídas pelo Estado australiano e todas as escolas neste momento têm financiamento”, explicou Susana Teixeira-Pinto.
Os números mais recentes apontam para 650 alunos, nos ensinos básico e secundário, “mas com perspetivas de crescermos para os próximos anos, já que temos uma grande associação de professores, que reúne docentes portugueses, brasileiros e timorenses”, defendeu.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.