ENTREVISTA | “A ‘Marque TDI’ é, desde o início, um projeto inovador e bastante ambicioso…”

Data:

ENTREVISTA COM RICARDO GONÇALVES, ADMINISTRADOR DA ‘MARQUE TDI’ – TECNOLOGIAS DE CODIFICAÇÃO S.A.

A ‘Marque TDI’ é líder de mercado em soluções globais de codificação, marcação e etiquetagem industrial, desde o produto até à palete. A empresa, subsidiária do Grupo ‘Domino Printing Sciences’, completa 25 anos de atividade em 2019 e não tem parado de crescer num mercado onde é reconhecida pela qualidade dos seus equipamentos e serviços pós-venda. O ‘Mundo Português’ foi conhecer esta empresa, sinónimo de excelência, eficiência e operacionalidade.

Qual é a história da empresa?

A ‘Marque TDI’ foi fundada em 1994 pelo meu irmão, Henrique Gonçalves. Eu juntei-me à empresa há 23 anos. Este é, des­de o início, um projeto inovador e bastante ambicioso.

O que é que representou para a ‘Marque TDI’ a aquisição pela ‘Domino’? Quais as consequências desta ‘união’?

A ‘Marque TDI´ já representava em Por­tugal a Domino, entre outras marcas. Em 2008, porque eramos uma referência como distribuidores na Europa, a ‘Domi­no Printing Sciences’ fez-nos uma propos­ta de aquisição e no ano seguinte passamos a integrar o grupo como sua subsidiária. Embora a ‘Marque TDI’ sempre tivesse tido uma capacidade financeira interessante, fa­zer parte de uma multinacional traz outras mais-valias. Para além de ser, naquela al­tura, uma empresa cotada na Bolsa Ingle­sa, a ‘Domino’ era também de longe o líder destacado no setor. Consequentemente, há 3 anos, o grupo foi adquirido pela ‘Brother In­dustries’, a japonesa que está no ranking das 750 maiores empresas do mundo. Enquanto no universo ‘Domino’ éramos 3 mil pessoas, na ‘Brother’ somos agora 45 mil. Esta alian­ça, representou um valor acrescentado tam­bém para o Grupo ‘Domino’, porque juntou ao seu core business de “Codificação e Mar­cação” uma outra área de negócio bastante atrativa, a ‘Impressão Digital’. Assistimos a uma mudança na forma de pensar o futuro, pois se antes a Domino procurava um retorno a curto prazo que satisfizesse os seus inves­tidores, a Brother tem realizado um conjunto alargado de investimentos a 15 ou 20 anos.

Exemplo desta filosofia foi o esforço financei­ro empregue no desenvolvimento da nova sé­rie de equipamentos a jato de tinta, a Ax-Se­ries, que rondou os 20 milhões de euros. Na Impressão Digital estamos a falar de um in­vestimento de cerca de 100 milhões. Neste sector a ‘Domino’ apresenta já sinais muitos positivos, alcançado mesmo o primeiro lu­gar no ano transato. Esperamos reforçar esta posição apoiados no know-how da ‘Brother’, que é um dos maiores fabricantes mundiais de cabeças de impressão. Significa que os nossos equipamentos passam a integrar ca­beças de impressão ‘Brother’ quando todos os outros concorrentes têm que comprar as cabeças de impressão para os seus equipa­mentos a fornecedores externos.

Qual é o ‘apport’ que a Marque TDI trouxe para estas marcas?

Nós conseguíamos, mesmo sendo um país com um mercado diminuto, vender um maior número de equipamentos do que outros paí­ses europeus, o que surpreendeu a `Domino’. A marca está presente em 126 países e atra­vés da ‘Marque TDI’ o grupo passou a estar para além de Portugal, também nos PALOP. O facto de podermos vender em Cabo Verde, Angola ou Moçambique foi importante para o grupo. Mas mais do que isso, a ‘Domino’ olhou para a ‘Marque TDI’ como uma em­presa exemplar, com um crescimento sem­pre acima da média, que seria interessante ter como subsidiária ou mesmo um exemplo de sucesso para os outros canais do grupo.

Que tipo de soluções colocam ao dispor dos vossos clientes?

Nós fornecemos soluções para a codificação industrial desde o produto até à palete. Dis­ponibilizamos sistemas de marcação e codificação na embalagem primária (por exemplo, uma garrafa de água ou uma embalagem de um produto), na embalagem secundária (pa­cks de 24 garrafas ou caixas), e por fim na embalagem terciária (paletes), com a infor­mação contida numa etiqueta A5 que pode ser lida por um ‘scanner’ e integrada com os RP’s dos nossos clientes.

Um dos nossos pontos fortes é também o de­senvolvimento de software de rastreabilidade à medida. Este, quando integrado na fábrica, envia para os equipamentos toda a informa­ção necessária para proceder à marcação e volta a recolhê-la em forma de report. UNI­CER, SOVENA, NESTLÉ, COCA-COLA, SU­MOL-COMPAL, são grandes empresas que trabalham connosco há muitos anos quer ao nível dos equipamentos, quer ao nível do software e que servem de exemplo da sua aplicabilidade.

Em que áreas atuam?

Nós trabalhamos em todos os setores e em todas as áreas. O nosso forte é a alimentação e as bebidas, mas também estamos no se­tor farmacêutico, cablagens, automóvel, quí­mico, construção, ou seja, o nosso target é a indústria de um modo geral. Qualquer negó­cio que fabrique um produto precisa de iden­tificá-lo, de ter rastreabilidade e é aí que nós podemos ajudar.

A ‘Marque TDI’ tem soluções para toda a linha de uma empresa…Como é que se implementam as vossas soluções?

Desde sempre que a nossa aposta foi a pós­-venda. Neste momento contamos com 8 comerciais e 25 técnicos no serviço pós-ven­da, porque como fornecedores exclusivos de grandes marcas e grupos industriais portu­gueses, sabemos que ter uma linha de pro­dução parada traduz-se normalmente na per­da de milhares de euros para empresas que trabalham 24 horas por dia.

Os clientes depositam-nos grande confiança, que retribuímos com um serviço de piquete 24/24 horas ou em alternativa um apoio atra­vés do nosso Helpdesk. Com grande facilida­de disponibilizamos técnicos capazes de ofe­recer aos nossos clientes a “paz de espírito” que precisam para gerir o seu negócio sem se preocuparem com a marcação dos produtos.

A modalidade de aluguer de soluções permite às empresas a entrada neste mundo de uma forma mais ‘light’. Quando é que uma empresa deve procurar esta solução?

Neste momento, uma grande parte do nosso negócio é realizado através do sistema de aluguer. Este é verdadeiramente vantajo­so para os clientes, pois inclui para além de equipamentos de última geração, um servi­ço exemplar e em muito casos os consumí­veis. Oferecemos as modalidades ‘pay per print’ e ‘pay per label’ com consumíveis e etiquetas incluídas e alugamos os equipa­mentos com manutenção preventiva, cura­tiva, peças, mão-de-obra incluídos. É uma prática incluída no conceito de servitização (processo pelo qual a produção de bens industrializados tem evoluído para uma visão mais abrangente, agregando serviços e permitindo um maior foco na função). O cliente passa a responsabilidade da codificação para a ‘Marque TDI’.

Outra vantagem no aluguer de equipamentos é que muitas vezes as multinacionais necessitam de projetos de investimento (CAPEX) para os anos seguintes e desta forma o custo é imputado diretamente no produto.

Estes contratos são habitualmente realizados por 60 meses que consideramos um perío­do adequado para esta modalidade. Até por­que normalmente, quando um cliente renova acaba por beneficiar de equipamentos tecno­logicamente atualizados, sem ser muito cus­toso para a empresa. Por exemplo, estes no­vos equipamentos já vêm preparados para a indústria 4.0, o que significa que os clien­tes com contratos recentes usufruem desta vantagem.

A rastreabilidade dos produtos vai ser cada vez mais importante…

A rastreabilidade é muito importante para a identificação dos produtos. Há uma série de legislações recentes que obrigam a uma retifi­cação dos sistemas produtivos. Por exemplo, na indústria farmacêutica, uma diretiva in­ternacional, a implementar até 2019, obriga que cada caixa de medicamentos seja identi­ficada por um número de série único e aleató­rio. Verificamos a mesma situação na indús­tria do tabaco, em que cada maço de cigarros tem um código bidimensional único com o objetivo de poder combater a contrafação.

Pensamos que a serialização que, no fundo, é a marcação de cada produto com um número de série diferente e único, brevemente se irá aplicar também à indústria alimentar e bebidas onde cada caixa de produto, quan­do chegamos ao supermercado, tem um nú­mero de série diferente. É claro que isto obri­ga a investimentos avultados, quer ao nível de equipamentos, quer ao nível de software.

Estas legislações foram criadas em defesa dos consumidores, pois é desta forma que lhes é possível saber em que dia foi criado um determinado produto, a que horas, qual a linha de produção, até qual foi o operador, etc. Podemos verificar a importância desta atividade na seguinte situação exemplificati­va: algumas empresas de vinhos encomendam o lote previamente impresso da gráfica que vai identificar toda a sua produção. Se tiverem uma reclamação do mercado correm o risco de terem que recolher todo o lote pois não consegue identificar a proveniência exa­ta do problema.

Em que países estão presentes?

A ‘Domino’ está presente em 126 países quer através de subsidiárias como a ‘Marque TDI­-Domino’, quer através de distribuidores. É desta forma que a ‘Domino’ assegura o mes­mo nível de serviço aos equipamentos insta­lados globalmente.

O serviço pós-venda é muito importante para a ‘Marque TDI’?

Na ‘Marque TDI’ somos cinquenta e quatro pessoas e estamos atualmente em processo de recrutamento de mais 10 pessoas para as vertentes técnicas e comercial. Este aumento exponencial reflete o aumento da procura pe­los nossos equipamentos, mas também o fac­to de estarmos a fornecer soluções tecnologi­camente mais complexas, com integração de processos de automatização em linha com a chegada da indústria 4.0.

A sustentabilidade e o crescimento têm andado de mãos dadas na empresa?

Temos crescido de uma forma exponencial, mas sustentada. No ano transato crescemos 24% e atingimos um volume de negócio su­perior a 12 milhões de euros.

Neste momento, no ano fiscal do Grupo ‘Brother’, que vai de 1 de abril a 31 de março, já estamos a crescer 22%, mas o nosso objetivo é de alcançar pelo menos os mesmos 24%, o que significaria que em dois anos obtería­mos um crescimento aproximado de 50%.

Claro que isto obriga-nos a muito trabalho, muita dedicação e mais pessoas. Mas é gra­tificante, trabalhar numa empresa que está em constante crescimento.

O grupo ‘Domino Printing Sciences ’ celebra 40 anos e este é um marco bastante impor­tante para todos.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.