Deputados questionam Governo luxemburguês sobre morte de Puto G

Data:

O Partido Operário Socialista do Luxemburgo (POSL) questionou o Governo sobre a demora no socorro e a falta de vigilância no lago de Remerschen, onde morreu afogado o ‘rapper’ de nacionalidade portuguesa e cabo-verdiana Puto G, em junho.

Em ofício enviado através da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, a que a Lusa teve hoje acesso, os deputados Franz Fayot e Alex Bodry pediram respostas aos ministros do Interior e do Trabalho, do Emprego e da Economia Social e Solidária e à ministra do Ambiente para o facto de o socorro ter sido acionado apenas “uma hora depois do alerta”.

Os deputados do POSL reportaram-se à investigação inserida em 16 deste mês no Contacto, jornal luxemburguês destinado à comunidade lusófona, e questionaram porque “se demorou quase uma hora para corresponder ao alerta” e as razões de “não se reagir de início aos pedidos de ajuda dos companheiros da vítima”, que se encontravam também no lago Remerschen, propriedade da Comuna de Schengen.

Franz Fayot e Alex Bodry pretendem também resposta do Governo luxemburguês para o facto de “qualquer membro do pessoal empregado pela Comuna de Schengen para a vigilância do lago de Remerschen não dispor de qualquer qualificação de nadador-salvador”.

“Foram estabelecidos procedimentos para determinar quem é o responsável, em que casos, em que circunstâncias e em que momento para pedir ajuda em caso de incidente”, interrogaram os deputados, depois de a família de Puto G ter levantado questões sobre a falta de segurança e vigilância no lago Remerschen.

Outra questão a merecer resposta no entendimento dos dois deputados do Partido Operário Socialista do Luxemburgo, tem a ver com a possibilidade de “algas infestarem a tal ponto o lago de Remerschen que é perigoso alguém banhar-se em determinadas partes”.

A família de Puto G, nome artístico de José Carlos Cardoso, admitiu já a possibilidade de instaurar processo judicial no Luxemburgo, país que não tem legislação para garantir a segurança no lago onde morreu o ‘rapper’.

O gabinete do ministro da Administração Interna do Grão-Ducado disse à Lusa que as únicas regras sobre zonas balneares dizem respeito às qualidade e salubridade da água, não contemplam a segurança dos banhistas, que depende de regulamentos camarários.

Puto G tinha 27 anos quando morreu afogado, no lago Remerschen, em 30 de junho último, onde se encontrava na companhia de amigos, que deram o alerta após o desaparecimento do jovem, que entrou sozinho na água.

O Contacto, citando fonte policial, noticiou que o corpo foi encontrado às 19:00 locais (uma hora menos em Lisboa), três horas depois de se ter constatado o desaparecimento.

O corpo foi trasladado para Lisboa e, em 05 de julho, realizou-se o funeral, na Amadora, local onde cresce e viveu o jovem emigrante em Athus, na Bélgica.

Puto G integrou o elenco do filme “A esperança está onde menos se espera”, de Joaquim Leitão, no qual protagonizou a personagem “Mané”. O filme, de 2009, foi rodado na Cova da Moura, arredores de Lisboa.

Na base de dados do cinema IMDB, Puto G voltou a trabalhar com Joaquim Leitão em “Quarta Divisão”, de 2013, e “Sei lá”, de 2014.

O ‘rapper’ integrou o elenco de “Por aqui tudo bem”, de Pocas Pascoal, e de algumas curtas-metragens.

Um mês depois de Puto G ter morrido, um cidadão búlgaro, de 53 anos, morreu afogado no mesmo lago, propriedade da autarquia de Schengen, que tem cartazes a alertar que o local não é vigiado e que os visitantes nadam “por sua conta e risco”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.