Chaves revive época romana na “Festa dos Povos”

Data:

Chaves vai ser “invadida” pelos romanos, entre sexta-feira e domingo, numa viagem por dois mil anos de história que pretende promover a cidade, a gastronomia, o património e atrair visitantes.

A Câmara de Chaves, no distrito de Vila Real, anunciou que, durante três dias, a “Aquae Flaviae” vai viajar até ao império de Tito Flávio Vespasiano, na sexta edição da “Festa dos Povos”.

“É um evento que tem vindo a crescer, a ganhar participação e um reconhecimento por parte da população. Esperamos que este ano seja mais um degrau que possa ser ultrapassado no sentido da sua afirmação”, disse o presidente da autarquia, Nuno Vaz.

A iniciativa atraiu mais de 80 mil visitantes na edição do ano passado.

A “Festa dos Povos” inclui recriações históricas, o mercado galaico romano, espetáculos e cortejos, envolvendo à volta de 100 expositores (artesãos, artífices e mercadores) e centenas de figurantes.

A autarquia salientou que a iniciativa concilia a “história, o património, a gastronomia e muita animação”.

Nuno Vaz disse que o evento é um “ponto de encontro” para os residentes, emigrantes e turistas, que espera que possam “deambular pelas ruas de Chaves e pela sua história”, passando pelos locais mais emblemáticos como o castelo ou as termas.

As alamedas de Trajano e do Tabolado e as ruas circundantes serão o palco para a “invasão romana”, onde se irão misturar artesãos, gladiadores, senadores, músicos, bailarinos, mendigos, escravos, falcoeiros, personagens mitológicas e divindades.

Além do mercado galaico-romano e de todas as recriações temáticas, os visitantes poderão ainda ver como era o “panteão dos deuses”, “o senado”, “o acampamento da legião VII Gemina Felix”, “o acampamento de guarda de honra do Imperador Tito Flávio Vespasiano”, “o acampamento dos povos galaicos”, o “circus maximus”, uma “exposição de artefactos bélicos e de tortura”, assistir à “arte do encantador das gigantes serpentes” e passear pelo acampamento infantil de artefactos lúdicos.

Do programa também faz parte a quarta edição dos jogos de “Aquae Flaviae”, que conta com o envolvimento das juntas de freguesia.

Nuno Vaz referiu ainda que, nesta edição da “Festa dos Povos”, vai-se reforçar a aposta na gastronomia e a área de restauração foi alargada, contando com 11 tabernas temáticas.

As legiões romanas chegaram ao território há cerca de dois milénios.

Fixaram-se onde hoje é a cidade e distribuíram pequenas fortificações, edificaram a primeira muralha que envolveu o aglomerado populacional, construíram a ponte de Trajano, tiraram proveito das águas minerais, implantaram balneários termais, exploraram filões auríferos e outros recursos.

Este núcleo urbano adquiriu tanta importância, nessa época, que foi elevado à categoria de município, quando no ano 79 dominava Vespasiano, primeiro César da Família Flavia. Será esta a origem de Aquae Flaviae, designação antiga da atual cidade de Chaves.

A “Festa dos Povos – Mercado Galaico-Romano” é organizada pelo município de Chaves e pela empresa Empreendimentos Hidroelétricos do Alto Tâmega e Barroso.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.