Por dentro das muralhas do Castelo de Penela que todos os anos mostra a magia do Presépio

Data:

Quem utiliza a estrada Nacional 110 entre Tomar e Coimbra, encontra no seu percurso a vila de Penela, que cresceu em torno do seu castelo e que conta com cerca de 3 300 habitantes. Situa-se cerca de 20 km a sul da capital do distrito, Coimbra.
É sede de um município com 132,49 km² de área e 5 983 habitantes (2011) , subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Miranda do Corvo, a leste por Figueiró dos Vinhos, a sudoeste por Ansião, a oeste por Soure e a noroeste por Condeixa-a-Nova.

Visitámos este castelo, onde todos os anos pela época Natalícia, acontece a magia do Penela Presépio inspirado, uma vez mais, em momentos, locais e personagens que recriam quadros representativos do presépio tradicional português.
Se o Penela Presépio já recebe cerca de 50 mil visitantes e gerar um volume de negócios na economia local próximo do meio milhão de euros, o castelo ao longo do ano, tirando um ou outro evento, merecia mais visitas e ser mais dinamizado, com lojinhas de produtos locais, já que a sua magia, aliado ás vistas magníficas, quem sabe se não podia ser um exemplo, como Óbidos, pois a vila de Penela, bem cuidada e alinhada, como o se casario e excelentes restaurantes, é um “fortaleza” nestas terras de Sicó e um oferta complementar a Coimbra, e quer Montemor o Velho, Gemanelo a aldeia com um castelo, Lousã, com o seu castelo, podiam vir a ser um triângulo de viagens pela história.
Penela, vila que se desenvolveu à volta do seu castelo medieval, que teve papel importante na defesa da linha do Mondego no tempo da reconquista, merece uma visita
O Castelo de Penela, começou a ser construído no século XI, mas a parte que hoje se vê é já dos séculos XIV e XV.

O outeiro de onde avista a A 23 que liga Coimbra ao Entroncamento

A ocupação militar deste outeiro é muito antiga, remontando pelo menos aos Romanos, que daqui vigiavam a estrada Mérida-Conímbriga-Braga. Invadida pelos Árabes em 716, foi depois retomada no séc. XI pelo Conde D. Sesnando, primeiro governador de Coimbra. O conde mandou erigir no local da alcáçova um forte castelo, que repovoou, nascendo assim um burgo cristão sob a protecção das muralhas ameiadas. Deste povoamento subsistem as sepulturas escavadas na rocha de desenho antropomórfico.


O castelo de Penela é uma fortaleza medieval de planta irregular e recorte sinuoso, alongada no sentido Norte-Sul aproveitando o escarpado natural, pelo que os panos de muralha têm altura que varia entre 7 e 19 metros. Pertencia à linha defensiva do Mondego na época da Reconquista cristã, seguindo-se ao castelo de Montemor-o-Velho em ordem de grandeza. Na cerca de muralhas, que envolvia a vila medieval com suas casas, ruas e igreja, rasgam-se as duas portas existentes. A Porta da Vila ou do Cruzeiro (séc. XV), de arco pleno, no exterior da qual, em tempo de paz, se começou a estender o arrabalde, e a Porta da Traição para acesso aos campos. A brecha das desaparecidas constitui hoje a entrada mais franca na fortaleza aqui se abria a terceira porta, virada a sul, guardada pela torre quinária, e que ligava o arrabalde mais directamente à igreja. Nas zonas mais expostas foram levantadas as torres que permitiam a defesa cruzada das quadrilhas (pano de muralha entre as torres) e das portas. Das doze torres que existiram até ao séc. XVIII subsistem algumas com formas arredondadas e quadrangulares, para além da quinária.


A torre de menagem, hoje desaparecida, datava de 1300 e erguia-se no castelejo, núcleo defensivo primitivo, que foi reedificado no séc. XV-XVI
As lutas contra os Mouros e a passagem dos séculos tomou necessária a sucessiva ampliação e restauro do castelo, prolongando a sua (re)construção dos sécs. XI ao XVI por iniciativa de vários reis, designadamente, D. Afonso Henriques, D. Sancho I, D. Dinis, D. Fernando.
A perda da importância defensiva deste castelo levou a que a sua manutenção fosse descurada e que a população começasse a utilizar as pedras noutras construções, ficando esta fortaleza cada vez mais danificada. Foi restaurada nos anos de 1940 as muralhas e as ameias caldas foram refeitas segundo o ainda existente, e desmanteladas as casas entretanto encostadas às muralhas.
A torre sineira de construção setecentista foi apeada.

A partir de 1992, e já a cargo do IPPAR procedeu-se à pavimentação dos acessos e da circulação interior do castelo, à limpeza, recuperação e consolidação das muralhas, à beneficiação do caminho de ronda com a colocação de passadiços que permitem o percurso pedonal na quase totalidade do perímetro.
A ocupação desta fortaleza resume-se hoje à igreja e à casa paroquial.

O castelo é Monumento Nacional desde 1910.
No interior do castelo, encontra a Igreja de São Miguel – é a Igreja matriz de Penela – anterior ao século XII, já que a mais antiga referência é o foral de 1137.

 

ANTÓNIO FREITAS

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.