Faça uma visita ao Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos

Data:

O Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos é um projeto museológico com tutela da Câmara Municipal que abriu ao público no dia 29 de agosto de 2013.
A abertura de um museu em Arraiolos, subordinado à temática dos Tapetes de Arraiolos, era uma antiga ambição da Câmara Municipal, com o qual pretendia dotar a vila de Arraiolos de um equipamento museológico que fizesse jus à importância que esta expressão artística de cariz artesanal tem, não só no contexto local, mas também no panorama das artes decorativas portuguesas.

No projeto do CITA, para além das convencionais funções e objetivos inerentes a um museu há, desde o início, a intenção de que também se constitua como um centro de estudo, investigação e promoção do Tapete de Arraiolos, bem como da cultura e história local.

O CITA foi implantado na Praça do Município, no histórico edifício do antigo Hospital do Espírito Santo, construído em finais do século XV ou inícios do século XVI. Após concurso público de arquitetura promovido pelo município e obras de reabilitação no edifício, em que se encontraram mais fossas pertencentes a uma já conhecida tinturaria para tingimento de lãs que esteve ativa em Arraiolos entre os séculos XIII e XV, o projeto de arquitetura ficou a cargo dos arquitetos Diogo Burnay e Cristina Veríssimo, tendo resultado um desenho de marcada contemporaneidade em que se preservaram os traços de historicidade inerentes a um tão antigo edifício e se obteve a necessária e muito específica funcionalidade exigida a um museu. Prova da qualidade da reabilitação do edifício e a sua adequação a museu foi a atribuição de três prestigiosos prémios, o “Melhor Projeto Público de 2013”, atribuído pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo, e em 2014 o prémio “Mais Património” da “Revista Mais Alentejo” e o “Prémio Construir”, na categoria “Reabilitação na Construção”, atribuído em conjunto pelo “Jornal Construir” e pela “Revista Anteprojectos”.
A exposição permanente do Museu, onde se apresenta a história, as técnicas, os materiais e a evolução decorativa do Tapete de Arraiolos, desde a sua origem até aos nossos dias, tem como base de sustentação quatro coleções. A coleção etnográfica, de que constam objetos e materiais historicamente utilizados na produção artesanal do Tapete de Arraiolos. A coleção Sub-Tenente Piteira, constituída por arte sacra, mobiliário, faiança e pintura. A coleção Paróquia de Nossa Senhora dos Mártires, constituída por paramentos religiosos. A coleção de Tapetes de Arraiolos, a que, para além dos exemplares pertencentes ao CITA, se juntam vários tapetes em depósito, dos séculos XVII, XVIII e XIX , pertencentes à coleção do Museu Nacional de Arte Antiga, Museu Nacional Machado de Castro, Museu de Évora e Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça.
Três exposições temporárias por ano com um programa tematicamente variado, abrangente e pluridisciplinar e as contínuas atividades do serviço sócio-educativo completam uma vasta oferta museológica que nestes quase cinco anos de existência já trouxeram ao CITA várias dezenas de milhares de pessoas de todo o mundo.

O CITA funciona de terça a domingo entre as 10.00h e as 13.00h e as 14.00h e as 18.00h.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.