Câmara de Figueira de Castelo Rodrigo requalifica Torre que é monumento nacional classificado

Data:

“A Torre de Almofala ou a Torre das Águias, como também é conhecida, é um monumento nacional, é um monumento importantíssimo que tem um valor histórico e patrimonial incalculável”, referiu o presidente da autarquia.. Segundo Paulo Langrouva, presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, no distrito da Guarda, o antigo templo romano, que na Idade Média foi convertido em atalaia, estava para ser requalificado “há mais de 16 anos”. A requalificação teve “finalmente” o aval da Direção Regional da Cultura do Centro e financiamento comunitário para a realização das obras no monumento que tem um valor histórico e patrimonial “incalculável”, disse.

Paulo Langrouva ( direita foto) a promover o seu concelho e agentes económicos no SISAB 2018

Um concelho que se promove no SISAB 2018 com vista à internacionalização dos seus agentes económicos

“As obras já começaram. Estamos a falar de um investimento que vai para além do meio milhão de euros, em que vamos ter um financiamento comunitário da ordem dos 400 mil euros”, esclareceu. A intervenção de consolidação da Torre de Almofala é considerada pelo autarca como “um marco importante, também, naquilo que será a oferta turística do concelho” de Figueira de Castelo Rodrigo. Quando a obra estiver concretizada, trará “benefícios acrescidos” para aquele município que se situa junto da fronteira com Espanha, admitiu. Sobre as obras em curso, o responsável esclareceu que são minuciosas e estão a ser acompanhadas em permanência por uma equipa de arqueólogos.
Após a requalificação do monumento, a autarquia presidida por Paulo Langrouva avançará com a construção de um Centro Interpretativo para acolhimento, receção e informação dos visitantes. Está também planeada uma intervenção relacionada com a melhoria das acessibilidades ao local. O futuro Centro Interpretativo da Torre de Almofala, que terá uma aposta forte nas novas tecnologias, deverá estar construído no início do próximo ano, vaticina o autarca. Historicamente, falar de Figueira de Castelo Rodrigo implica remontar muitos séculos na história. Desde a Pré – História até ao séc. XX, muitos são os testemunhos existentes, permitindo-nos viajar pelo tempo à descoberta das raízes históricas de toda uma região. Entranhado no coração da região do Ribacôa, o Concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, instituído por decreto de 25 de Julho de 1836, apresenta grande riqueza de património edificado, onde assume papel de destaque Castelo Rodrigo, uma das mais belas e marcantes Aldeias Históricas de Portugal. Mas em todas as freguesias encontramos monumentos de grande valor que guardam segredos e memórias de tempos passados.

Como Chegar
Lisboa > Figueira de Castelo Rodrigo
Distância – 380 Km
Percurso – A1 – A23 – A25 – N324 – N340- N332 – N221
Porto > Figueira de Castelo Rodrigo
Distância – 261 Km
Percurso – A1 – A25 – N324 – N340 – N332 – N221
Salamanca > Figueira de Castelo Rodrigo
Distância – 157 Km
Percurso – A62 – N-620 – A25 – N332 – N221

ANTÓNIO FREITAS com Lusa

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.