} Na Universidade de Aveiro conseguiram identificar pessoas e emoções com um eletrocardiograma - Mundo Português