Hospital de Viseu acusado de negligência

Data:

A família de uma idosa, de 83 anos, que morreu de gangrena depois de ter sido atendida três vezes no serviço de urgências do Hospital de Viseu, acusa os médicos de negligência e já apresentou queixa no livro de reclamações.

O caso foi divulgado ontem pelo Correio da Manhã, que avança que mulher, sofreu um AVC a 14 de março, altura em que foi transportada para a unidade hospitalar. “Fizeram vários exames mas ignoraram que tinha a perna fria e queixava-se”, disse ao jornal uma familiar, acrescentado que mais tarde a idosa teve alta e regressou a casa.

Nos dois dias seguintes voltou às urgências e lá acabou por ficar internada, tendo sido necessário amputar a perna com já com gangrena. A doente acabou por morrer a 4 de abril e a família atribui as culpas à médica que a atendeu a primeira vez nas urgências.

O Conselho de Administração do Centro Hospitalar-Tondela Viseu disse estar a “reunir todos os dados para dar resposta à reclamação da utente”, não adiantando mais informações.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.