Visita a uma vila fantasma e aprender Barranquenho no Parque de Noudar

Data:

Barrancos abre as suas portas, a 2 e 3 de Junho, para receber, pela primeira vez, o festival clássico do Alentejo. Em palco, um dos mais destacados agrupamentos portugueses de música antiga – o Ludovice Ensemble, que propõe uma viagem, ao longo de vários séculos, até às míticas fronteiras do Oriente. Este surpreendente programa artístico, jamais ouvido entre nós, é complementado por visitas ao território de Noudar.


No palco do cineteatro, no sábado, 2 de Junho, às 21h30, o agrupamento português de música antiga o Ludovice Ensemble, que tem triunfado em grandes festivais e teatros do mundo sob a direcção de Fernando Miguel Jalôto, mergulha em pleno nos repertórios dos sécs. XVI-XVIII para apresentar, em Barrancos, uma perspectiva da antiga música húngara, desde os seus registos mais antigos, até aos grandes mestres de Setecentos, como o príncipe Pál Esterházy. Este tributo artístico à Hungria, o país convidado do Terras sem Sombra no presente ano, é completado por uma panorâmica da música europeia nesse tempo, com obras de grandes compositores contemporâneos – Rameau, Marais, Haydn, Fux, Telemann – em que transparecem as influências húngaras, sob vestes egípcias, persas ou turcas.

Entre Ardila e Múrtega: a antiga vila de Noudar

No intuito de atrair novos moradores à localidade de Noudar, o rei D. Dinis, em 1305, fê-la couto de homiziados – o primeiro do país. A vila cresceria à sombra de um extenso recinto amuralhado, em que domina a emblemática torre de menagem, rodeada pelo alcácer, tendo perto a igreja matriz de Santa Maria de Entre-Ambas-as-Águas. Contudo, o problema demográfico nunca foi resolvido e acabou por ditar o abandono de Noudar.
Hoje, dominando uma paisagem de extraordinária beleza, a vila-fantasma de Noudar é um local silencioso, onde já não vive ninguém, mas os seus muros contam muitas histórias. A tarde do dia 2 de Junho, a partir das 15h00, vai ser dedicada ao seu passado e presente visando a redescoberta do castelo de Noudar, sentinela no coração da Andaluzia, e da povoação (outrora, sede de concelho) existente dentro dos seus muros, abandonada no séc. XIX. O guia é um grande conhecedor dos mistérios desta velha localidade, o arqueólogo Miguel Rego.

A Herdade da Coitadinha e o Parque de Natureza de Noudar

O Parque de Natureza de Noudar localiza-se na Herdade da Coitadinha, entre os cursos dos rios Ardila e Múrtega, que correm no meio de cumes e colinas. Montado, pastagens, olival tradicional e pastoreio (ou não estivéssemos no reino do porco preto) são traços comuns às herdades da região. Na Coitadinha, porém, um relevo mais abrupto e mais rochoso protege enclaves de vegetação em que subsistem azinhais e bosques densos, onde a luz penetra com dificuldade. Redutos únicos numa paisagem muito alterada, em outros séculos, pelo homem, têm agora como protagonista a vida selvagem, o que os torna um notável santuário da biodiversidade.
Pelas 10 horas de Domingo, dia 3 de Junho, sob a orientação de Diogo Nascimento, Nuno Santos e José Pedro Salema (engenheiros florestais), João Xavier Matos (geólogo) e José Perdigão (técnico de arqueologia) vamos descobrir este património natural único e colaborar na sua identificação e defesa e ainda haverá tempo para conhecer um pouco da identidade e da língua barranquenhas.

Estas actividades, organizadas pela Pedra Angular, em parceria com o Município de Barrancos e a EDIA, são todas de acesso livre. Trata-se de uma ocasião única para perscrutar uma das regiões mais belas e singulares do país.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.