Doentes com Esclerose Múltipla apresentam melhoras após tratamento inovador com células estaminais

Data:

Há uma nova estratégia para o tratamento da Esclerose Múltipla com administração de células estaminais mesenquimais (MSC, de Mesenchymal Stem Cells) que está atualmente estudada, apresentado resultados favoráveis, segundo um estudo recente. As propriedades anti-inflamatórias das MSC e a sua capacidade para regular o sistema imunitário e estimular a reparação de lesões neurológicas representam um enorme potencial de tratamento desta doença neurológica. As MSC estão presentes em vários tecidos, como o cordão umbilical, a medula óssea e o tecido adiposo.

Os resultados de um ensaio clínico recente com 20 adultos com esclerose Múltipla determinou a segurança e eficácia da administração de MSC do tecido do cordão umbilical.

Após o tratamento, foram registadas melhorias nos indivíduos a vários níveis, quando comparada a sua condição inicial. Observaram-se melhorias na função urinária, intestinal e sexual dos doentes tratados e, após depois, mais de metade referiu sentir-se melhor, nomeadamente no que diz respeito ao seu bem-estar geral e emocional, dor, fadiga e limitações físicas. Um mês após o tratamento, verificaram-se, ainda, melhorias na destreza manual e na mobilidade, que se mantiveram ao fim de um ano.

 “Alguns doentes que participaram no ensaio clínico melhoraram o seu grau de incapacidade. Um ano após o tratamento, um dos doentes em cadeira de rodas conseguiu voltar a andar utilizando um andarilho e outro doente, que andava com recurso a um andarilho passou a andar sem assistência”, refere Bruna Moreira, investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal.

A investigadora acrescenta: “Um ano após o tratamento, o estudo por ressonância magnética revelou que 83% dos doentes não apresentou novas lesões ativas no cérebro ou progressão das lesões existentes e um doente mostrou resolução quase completa das lesões previamente detetadas, o que constituiu um resultado surpreendente”.

Ao permitir melhorias sustentadas durante longos períodos, a terapêutica com recurso a células estaminais pode ainda trazer outras vantagens a estes doentes, como a redução da medicação, geralmente administrada numa base diária ou semanal, e dos efeitos secundários que lhe estão associados. Neste estudo, 20% dos doentes conseguiu reduzir a dose de medicação.

Os autores deste estudo concluem que a administração de MSC do tecido do cordão umbilical é segura em doentes com Esclerose Múltipla e está associada a melhorias a vários níveis, nomeadamente da função sexual e urinária, destreza física e qualidade de vida. Mais estudos, nomeadamente com maior número de doentes, são necessários para que este tratamento se consolide como uma alternativa terapêutica viável para a EM.

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença autoimune de caráter inflamatório, em que o sistema imunitário progressivamente destrói os circuitos nervosos do cérebro e espinal medula. A EM não tem cura, tratando-se de uma doença crónica, que pode levar a graves problemas motores, sensoriais e cognitivos, chegando a tornar-se incapacitante se não for adequadamente tratada. Para diminuir a frequência dos surtos e abrandar a progressão da doença, são utilizados medicamentos, nomeadamente corticosteroides, no entanto, estes não são capazes de reparar as lesões neuronais sofridas.

 

Referência:
Riordan et al., Clinical feasibility of umbilical cord tissue-derived mesenchymal stem cells in the treatment of multiple sclerosis. J Transl Med. 2018 Mar 9;16(1):57.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.