Documentário “Kuzola” estreia em França a 20 de junho

Data:

O documentário “Kuzola, le Chant des Racines” (“Kuzola, o Canto das Raízes”), que acompanha as gravações do primeiro álbum de Lúcia de Carvalho entre França, Portugal, Brasil e Angola, vai estrear-se nos cinemas franceses a 20 de junho.

O filme retrata as viagens para a criação do disco “Kuzola”, uma mistura de semba angolano, samba brasileiro, funk, soul e rock, que juntou cerca de 40 músicos em três continentes, como os angolanos Banda Maravilha e Irina Vasconcelos, os brasileiros Mário Pam do grupo Ilê Aiyê e Lazzo Matumbi, o cubano Alexey Martinez e o francês Robert Dam, entre outros.

Além de uma viagem musical, o documentário retrata uma busca das raízes da cantora franco-angolana, de 37 anos, que nasceu em Luanda, viveu em Almada entre os seis e os 12 anos e foi adotada, depois, por uma família francesa da região da Alsácia, onde descobriu o Brasil num grupo de músicas tradicionais brasileiras.

“’Kuzola – O Canto das Raízes’ é mesmo essa mistura: o ‘canto’ em relação à minha profissão de cantora e ‘raízes’ pelo facto de ter voltado mesmo para Angola e de ter tanto essa mistura entre estar aqui em França, fazer música brasileira, saber que nasci em Angola. Tinha um momento em que eu não sabia bem quem eu era”, contou à Lusa Lúcia de Carvalho.

A base do disco e do documentário foi feita em Estrasburgo, em França, com a voz de Lúcia de Carvalho e a guitarra de Edouard Heilbronn, aos quais se foram juntando, ao longo das viagens, vários instrumentos, ritmos e vozes diferentes em Salvador da Baía, Recife e Luanda, com uma passagem por Portugal para visitar a aldeia de crianças onde a cantora cresceu.

A viagem ajudou Lúcia de Carvalho a compreender-se como “uma mestiçagem”, em que as “raízes são angolanas, o caule é Portugal, a flor é o Brasil e o chão é a França, o solo fértil que permite a flor crescer”.

O disco “Kuzola”, uma palavra que significa amar em quimbundo (idioma banto de Angola), reflete essa mestiçagem, por exemplo, nas músicas “O que eu quero”, do angolano André Mingas, onde o semba se mistura com o samba e “De sol, de sol” em que o maracatu afro-brasileiro de Recife se cruza com “algo mais funk da cultura ocidental”.

Para Lúcia de Carvalho, o álbum “reflete algo para além da música”, tem “vibrações kuzola” e “uma energia boa”, que também espelha os lugares visitados ao longo de 2015 e “a alma de cada pessoa com quem” tocaram.

O disco foi lançado em Portugal em junho do ano passado e o próximo passo é conseguir distribuição do filme em Portugal, no Brasil e Angola, disse à Lusa o realizador do documentário Hugo Bachelet.

“Gostaríamos muito que o filme fosse lançado nos locais onde filmámos porque aí é muito interessante descobrir a Lúcia, uma angolana que regressa a casa, que nunca esqueceu o país de origem apesar de se ter tornado francesa e de coabitar com duas línguas e duas culturas”, afirmou o realizador de 33 anos.

Para já, o objetivo do filme é “dar a conhecer” Lúcia de Carvalho em França “porque quando se canta em português em França, chega-se ao público lusófono mas é complicado atingir o grande público”, acrescentou Hugo Bachelet, sublinhando que o documentário vai estar em antestreia em várias salas francesas e vai ser seguido de ‘showcases’ de Lúcia de Carvalho.

Em 2017, “Kuzola – Le Chant des Racines” venceu o prémio Melhor Documentário e Melhor Filme Estrangeiro no Festival do Filme Independente de Estocolmo e foi selecionado para o CinAlfama Lisbon International Film Awards.

O documentário passou, também, em vários festivais de cinema nos Estados Unidos, Suécia, França e Grécia, tendo sido seguido de ‘showcases’ de Lúcia de Carvalho.

Em 2016, Lúcia de Carvalho venceu o prémio “Prix Cap Magellan/Mikado – Trace Toca da melhor revelação artística” na Noite de Gala oferecida pela autarquia parisiense à comunidade portuguesa, na Câmara Municipal de Paris.

O documentário “Kuzola – Le Chant des Racines” é produzido pela Couac Productions e vai ser distribuído pela Ligne 7.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.