Obesidade em Portugal afeta mais mulheres, idosos e menos escolarizados

Data:

Cerca de 1,9 milhões de portugueses sofriam em 2015 de obesidade. Hoje assinala-se o Dia Nacional e Europeu da Obesidade.

A obesidade é uma doença mais prevalente nas mulheres, nos idosos e nas pessoas com menos escolaridade e sem atividade profissional.
É o que revela o Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF), desenvolvido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).
O inquérito analisou o estado de saúde da população residente em Portugal, em 2015, com idade entre os 25 e os 74 anos, tendo concluído que 28,7% dos portugueses eram obesos e 126 mil tinham obesidade mórbida.
Os dados indicam que três em cada dez mulheres (32,1%) eram obesas, contra 24,9% dos homens.
Os portugueses sem qualquer nível de escolaridade ou apenas com o primeiro ciclo apresentavam maior prevalência de obesidade (43,1%), seguidas das que têm o segundo ou terceiro ciclo (28,7%).
Já na população com o ensino secundário, a prevalência da obesidade situava-se nos 22,7% e nos 14,7% nas que têm o ensino superior.
Também se verificou níveis maiores de obesidade na população sem atividade profissional (reformados, domésticos ou estudantes) (40%), uma situação que também afetava 29,4% dos desempregados e 23,7% dos empregados.

Pensar a obesidade como doença

Contactada pela agência Lusa, a presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), Paula Freitas, salientou a importância do Dia Nacional e Europeu da Obesidade, para “colocar a população portuguesa a pensar na obesidade como doença”.
“O nosso objetivo primário é que as pessoas entendam que a obesidade é uma doença crónica, complexa e multifatorial que está associada a múltiplas outras patologias”, como a diabetes, hipertensão ou cancro, que podem ser evitadas se as pessoas perderem peso.
As pessoas que têm diabetes, aumento do colesterol e do ácido úrico, problemas cardíacos, respiratórios, como a asma, apneia de sono, muitas vezes basta perderem peso para que todas estas doenças melhorem ou desapareçam.
“Nós olhamos um bocadinho para a obesidade como fator para o aumento do risco cardiovascular, como a hipertensão, a insuficiência cardíaca, doença coronária ou o aumento do risco tromboembólico, mas hoje também cada vez mais se sabe que a obesidade está associada a uma série de cancros na mulher, como o cancro da mama, dos ovários, do colo do útero, do endométrio, e nos homens, o cancro na próstata”, salientou.
Mas a obesidade também pode estar associada a outros cancros, como o colorretal, da vesícula biliar, do pâncreas ou do fígado, disse Paula Freitas, defendendo que “é importante travar a obesidade para que todas as complicações associadas não venham a surgir a longo prazo”.
A SPEO defende a necessidade de criar respostas mais eficientes e rápidas, quer seja através de um diagnóstico mais precoce, um melhor encaminhamento e gestão dos doentes nos cuidados primários, bem como possibilitar o tratamento necessário aos doentes.
Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, a incidência de cancros associada ao excesso de peso e obesidade aumentou 7% na última década.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.