Região Oeste quer candidatar-se a Geoparque da UNESCO

Data:

A região Oeste, das mais ricas do mundo em achados de dinossauros e com património de interesse geológico com mais de 150 milhões de anos, quer candidatar-se a Geoparque da UNESCO, confirmou à Lusa a Câmara da Lourinhã.

A intenção foi manifestada há duas semanas na reunião do Fórum Nacional da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), realizada em Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança, confirmou o município da Lourinhã, que pretende avançar com uma candidatura em conjunto com os municípios de Torres Vedras, Peniche, Óbidos e Bombarral, da mesma região.

Representantes destas autarquias estiveram em “fóruns da UNESCO de âmbito nacional e internacional, com o objetivo de mostrar a vontade, bem como evidenciar a importância da constituição do Geoparque Oeste, para o território nacional, mas também para o património mundial”, e até setembro deverá ser constituída uma entidade de gestão para dar continuidade ao processo.

A existência de património geológico e paleontológico com mais de 150 milhões de anos no território dos cinco concelhos do Oeste é o ponto forte da futura candidatura, que deverá ser formalizada dentro de três ou quatro anos à comissão nacional da UNESCO.

Num artigo científico publicado após a apresentação do tema na Conferência Europeia de Geoparques, realizada em setembro nos Açores, os investigadores Bruno Pereira, Octávio Mateus, José Carlos Kullberg e Rogério Rocha, parte deles ligados ao Museu da Lourinhã e à Universidade Nova de Lisboa, demonstraram que se trata de uma das zonas mais ricas do mundo com achados fósseis do Jurássico Superior, onde foram descobertas 200 novas espécies de vários animais, entre os quais dinossauros.

Também as falésias calcárias da costa de Peniche, do Jurássico, apresentam relevância internacional, sendo de realçar a ‘Ponta do Trovão’, classificada como geomonumento por ser característica do período Toarciano (183 milhões de anos) e por ali existirem fósseis marinhos.

Bombarral, Lourinhã, Óbidos e Peniche dividem entre si o território do Planalto das Cesaredas, espaço que há 170 a 150 milhões de anos estava submerso pelo mar e onde hoje predominam formações rochosas em calcário do período Jurássico, com 150 milhões de anos.

No local já foram descobertas 15 novas espécies animais fósseis das 170 ali encontradas, na sua maioria invertebrados marinhos como corais, bivalves ou amonites (parentes das lulas e dos chocos), mas também peixes e ancestrais de crocodilos, que coabitavam com os dinossauros.

O Planalto possui também interesse arqueológico, tendo em conta os vestígios da ocupação humana durante toda a Pré-História, com necrópoles, alguns povoados, como o Castro da Columbeira, e grutas classificadas como sítios arqueológicos do Paleolítico e do Neolítico (de há 12 mil anos).

No Planalto, ocorreu também a Batalha da Roliça, em agosto de 1808, no período das invasões francesas, e este terá sido local dos encontros secretos entre D. Pedro e Inês de Castro.

Óbidos possui também património cultural de interesse e é Cidade Criativa da Literatura.

Estes aspetos têm contribuído para o aumento do turismo histórico e de natureza na região, com concelhos do distrito de Leiria e de Lisboa.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.