Número de passageiros nos aeroportos portugueses sobe 16,4% para 52,8 milhões em 2017

Data:

O número de passageiros nos aeroportos portugueses no ano passado ascendeu a 52,8 milhões, o que representa uma subida de 16,4% face ao ano anterior, ultrapassando-se, pela primeira vez, a fasquia dos 50 milhões, foi hoje divulgado.

“O movimento de passageiros [de transporte aéreo] ascendeu a 52,8 milhões em 2017, ultrapassando-se pela primeira vez a fasquia de 50 milhões”, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE), apontando que “este valor correspondeu a um aumento de 16,4% face ao ano anterior”.

No que toca aos aeroportos, a maior subida registou-se em Lisboa, de 18,8% para 26,7 milhões de passageiros, seguindo-se o Porto e Faro, com acréscimos de 15,1% e de 14,4% para 10,8 e 8,7 milhões, respetivamente.

Só no quarto trimestre do ano passado, os aeroportos nacionais registaram um movimento de 11,9 milhões de passageiros, mais 12,5% do que no período homólogo, incluindo embarques, desembarques e trânsitos diretos, refere o INE.

Neste período, o aeroporto de Lisboa concentrou 54,7% dos passageiros nos aeroportos, num total de 6,5 milhões de movimentos, apresentando também o maior aumento entre os principais aeroportos.

Seguiram-se os aeroportos do Porto (2,6 milhões), Faro (1,4 milhões), Funchal (713,6 mil) e Ponta Delgada (370,8 mil passageiros), estes dois últimos nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, respetivamente.

Ainda neste período, “o tráfego internacional de passageiros correspondeu a 82,3% do total de movimentos, com especial relevância nos aeroportos de Faro (93,0% do total) e Lisboa (87,5%)”, especifica o INE.

As empresas nacionais de transporte aéreo asseguraram o transporte de 39,9% dos passageiros, seguindo-se a oferta de operadores da Irlanda (19,8%), Reino Unido (14,3%), França (4,6%), Espanha (4,5%), Alemanha (4,1%), Países Baixos (2,5%) e da Suíça (2%), entre outros.

De acordo com o INE, em 2017 verificou-se também um acréscimo de 5,9% na ferrovia pesada e de 5,6% no metropolitano, isto face a 2016, ano no qual as subidas tinham sido de 2,7% e de 5,3%, pela mesma ordem.

Assim, o número de passageiros transportados em comboios suburbanos, interurbanos e internacionais ascendeu a 141,7 milhões no ano passado, número que é ultrapassado pelos passageiros do metropolitano (de Lisboa, do Porto e do Metro Sul do Tejo), que totalizaram 235,7 milhões.

No último trimestre do ano passado, “os passageiros transportados por comboio e por metropolitano continuaram a aumentar”, assinala o INE, falando em subidas de 4,5% e de 2,9% para 36,1 milhões e para 61,9 milhões, respetivamente.

Relativamente aos passageiros em travessias fluviais, registou-se um total de 20,4 milhões no ano passado, 82,2% dos quais no rio Tejo.

No quarto trimestre de 2017, o número destes passageiros aumentou 7% para 4,7 milhões de passageiros, dos quais 4,3 milhões no rio Tejo.

Já no que toca ao transporte de mercadorias, no ano passado houve aumentos das toneladas movimentadas nos aeroportos (mais 19,1%), por via rodoviária (mais 6,3%) e via ferroviária (mais 2,4%) e nos portos (mais 1,4%).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.