Criado guia online para ajudar a mobilidade académica e científica de portugueses no estrangeiro

Data:

O Governo apresentou este mês o programa ‘Study and Research Abroad’ (Estudar e Investigar no Estrangeiro), que pretende ser um guia para a mobilidade académica e científica de portugueses no estrangeiro.

O projeto foi apresentado pelo Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro e pela Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Maria Fernanda Rollo.
O objetivo é apoiar a mobilidade internacional de estudantes, investigadores, docentes e não-docentes portugueses que pretendam desenvolver trabalho académico e científico fora de Portugal, informa uma nota divulgada pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.
O ‘Study & Research Abroad’ disponibiliza informação e recomendações e presta apoio a quem pretenda “realizar uma experiência de mobilidade internacional”, no âmbito de atividades de ciência, tecnologia e ensino superior.
O guia reúne, no portal disponibilizado agora pelo Governo (abroad.study-research.pt), informações sobre o país escolhido para estudar, a rede de Postos Consulares de Portugal, a documentação e o orçamento necessários para estudar no exterior, entre outras.
Para além do portal, os estudantes terão ainda acesso a um kit disponibilizado através da Agência Nacional Erasmus + Educação e Formação e entregue no momento em que seja iniciado o processo de mobilidade internacional académica e científica, informa a nota da SECP.

O apoio da rede consular

Na apresentação do guia, José Luís Carneiro presentes em 148 países podem dar na informação, no apoio e no esclarecimento dos estudantes, investigadores e docentes universitários em mobilidade.
“Os estudantes, investigadores e docentes portugueses são exemplos de integração harmoniosa e de diálogo alargado com outras culturas num Mundo de conhecimento global. Os serviços consulares podem servir como alicerces a esta mobilidade. Se os cidadãos estiverem inscritos no consulado torna-se muito mais fácil acompanha-los em situações de necessidade”, referiu o governante.
O governante acrescentou que os consulados podem também “apoiar o diálogo de quem emigra com as redes de portugueses que já existem no estrangeiro, nomeadamente nas áreas da ciência e inovação”.
Já a Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, considerou o projeto ‘Study and Research Abroad’ “uma ferramenta também importante no que diz respeito ao crescimento, à afirmação e visibilidade da diplomacia científica portuguesa e a comunidade de portugueses nos estrangeiros”.
“Todos os que partem, sobretudo os estudantes Erasmus recebem um cartão-de-visita personalizado. Cada estudante, jovem cientista pode colocar os seus contactos e ficar em contacto com os serviços consulares da região de destino”, adiantou Fernanda Rollo.
Segundo a SECP, em 2016 os serviços consulares praticaram 1 milhão e 960 mil atos consulares, enquanto o Gabinete de Emergência Consular foi responsável pelo tratamento de 13 mil e 400 chamadas e mensagens de emergência, sendo que muitas destas ocorrências envolveram cidadãos portugueses a realizar estudos e projetos de investigação no estrangeiro.
O projeto ‘Study & Research Abroad’ foi desenvolvido em colaboração com a Direção Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, a Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação, a Direção-Geral do Ensino Superior, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia e as Instituições de Ensino Superior.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.