Paulo Pisco promove a criação de um Museu Nacional da Emigração

Data:

Portugal precisa de ter um Museu Nacional da Emigração, que espelhe uma parte essencial da nossa identidade e história coletiva”, defende o deputado.

O legado português, refere o deputado “merece ser conhecido de todos, através dos milhares de factos e histórias de emigração protagonizados por sucessivas gerações de emigrantes. Tanto se lhe pode chamar expansão marítima ou emigração forçada por razões económicas, missões de Estado ou espírito de aventura. A verdade é que, a partir do momento que um cidadão deixa o seu país, há um novo mundo que o espera, com regras e contextos culturais diferentes”
Em entrevista concedida, ao Mundo Português numa das suas habituais deslocações a França reafirma “faz cada vez mais sentido haver um museu nacional da emigração. Nós temos uma história da emigração que é demasiado rica, para que ela não seja conhecida de todos os portugueses e de também de todos aqueles que são descendentes de portugueses, não só nos seus sucessos mas também a períodos da nossa história que são mais duros, difíceis e nalguns casos até dramáticos, com todo o período de emigração dos anos 60 e 70, toda a pressão que a ditadura de Salazar, fez sobre a nossa emigração e a forma como condicionou e como usou, aproveitou e instrumentalizou a nossa emigração para servir os propósitos do regime.

Extrordinária capacidade de se adaptar
Afirma o deputado “como todos sabemos de uma maneira geral, a emigração portuguesa carateriza-se por uma extraordinária capacidade de adaptação nos quatro cantos do mundo, das zonas desérticas aos lugares mais frios, onde os portugueses foram deixando a sua marca material e imaterial na História das nações, não obstante as dificuldades, obstáculos e contrariedades que encontraram pelo caminho”

Do Brasil para a Europa
Existem inúmeras evidências dispersas em documentos e outros materiais das múltiplas expressões da emigração portuguesa ao longo dos séculos, que foi variando consoante os contextos económicos, sociais e políticos e afirma “ Durante todo o século XX, registaram-se dois movimentos migratórios bem definidos. Um, na primeira metade do século, que foi uma emigração transoceânica, dirigida essencialmente para a América, primeiro para o Brasil e os Estados Unidos e, mais tarde, para o Canadá. O outro, na segunda metade do século XX, foi sobretudo para a Europa, após a Segunda Grande Guerra e dirigiu-se acima de tudo para França e para a Alemanha, ambas com características muito distintas, no âmbito do forte desenvolvimento industrial da Europa ocidental. Mas tanto num caso como noutro, a ditadura exerceu sempre o seu controlo sobre a vida de cada um dos emigrantes e da emigração em geral, combatendo-a com os seus meios de repressão e propaganda, condicionando-a, negando-a e utilizando-a em proveito do regime. E, após os anos 60 e 70, a emigração portuguesa continuou para países como o Luxemburgo, a Suíça, o Reino Unido e outros, sempre obrigada pela ditadura a processar-se de forma irregular e com os riscos inerentes a essa circunstância, mas que nem por isso deixou de ter uma influência considerável no desenvolvimento económico, cultural e político desses países”.
Não basta evocar a proeza de um povo que deu novos mundos ao mundo e exaltar constantemente o nosso universalismo. Temos também de olhar de frente aquilo que representa a nossa emigração e assumi-la na sua integralidade, particularmente os períodos mais difíceis e traumáticos, como ocorreu nos anos 60 e 70 para França, em que cerca de três quartos dos emigrantes deixaram o país clandestinamente.
É importante conhecer como se caracterizou a emigração portuguesa nas suas várias facetas, na sua dimensão cultural e humana, no seu valor económico, na sua importância política e diplomática, mas também nos seus aspetos menos positivos e mais complexos.
É também paradoxal que a emigração portuguesa esteja retratada em grandes museus na França, Alemanha ou Suíça e noutros países, e que em Portugal apenas esteja presente em algum museu municipal, com as limitações que isso representa em termos de sustentabilidade, desenvolvimento e dimensão, uma vez que, por maior que seja a boa vontade e a qualidade dos seus espólios, não chega para exprimir a importância e o impacto das migrações portuguesas.
A criação de um Museu Nacional da Emigração, abarcando de forma o mais abrangente possível todos os períodos migratórios, deve ter como objetivo estratégico dignificar e valorizar os portugueses de todas as épocas e gerações que deixaram o país, independentemente das razões por que o fizeram.

Um Museu da Emigração
“Um Museu Nacional da Emigração terá de ter tudo aquilo que de mais positivo caracteriza o fenómeno migratório português nas suas múltiplas vertentes, ser dinâmico, criativo e um lugar de reflexão, dotado dos recursos adequados para a sua sustentabilidade e contribuir para o reconhecimento da importância da emigração portuguesa. Com efeito, compreender a emigração portuguesa significa também compreender as dinâmicas económicas, sociais e políticas que em diferentes épocas geraram fenómenos migratórios tão expressivos.
A história da nossa emigração em França, Brasil, Luxemburgo, Canadá, Suíça, Venezuela, Alemanha, Estados Unidos, para a Ásia e para África, em perto de 140 países do mundo, está cheia de episódios e histórias de vida de grande interesse, que é, de facto, incompreensível não poderem ser conhecidos. A criação de cidades, como Sacramento, no Uruguai, as centenas de palavras deixadas na língua Bahasa da Indonésia, o património ao longo de toda a costa africana, a fundação de reinos na Malásia e tantos outros vestígios da presença portuguesa no mundo merecem não cair do esquecimento. Além disso, seria certamente um polo de atração cultural e turística da maior importância. Basta pensar nos vários milhões de portugueses espalhados pelo mundo e todos os seus descendentes, os seus amigos e conhecidos, todos os interessados em conhecer uma das facetas estruturantes da identidade do povo e da nação portuguesa”
O deputado refere que o museu tem um sentido pedagógico, para que a emigração portuguesa não continue a ser objecto de qualquer preconceito.
O Museu refere tem esse sentido pedagógico de não só reconhecer e compreender a história da emigração portuguesa, mas também dignificar, valorizar e estabelecer uma relação com todos aqueles que tiveram de emigrar”
Paulo Pisco regista “um museu municipal tem limitações no que diz respeito à capacidade de obter um espólio que seja verdadeiramente representativo”.
Paulo Pisco defende a sua localização numa grande cidade, e dá o exemplo do Norte, de forma a garantir a acessibilidade dos portugueses e de todos os que veem do exterior.
António Freitas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.