Autarca luso diz que portugueses em Beausoleil estão esquecidos

Data:

Ao ‘Mundo Português’, o autarca lusodescendente Jorge Gomes explica que aquela é uma das cidades de França “onde vivem mais pessoas de nacionalidades diferentes”. Beausoleil é uma “comune” com 15 mil habitantes, na fronteira com o Principiado do Mónaco.

Jorge Gomes de 38 anos de idade recebe-nos na “mairie” onde está eleito desde 2008 e este português nascido em Santa Cristina de Longos, concelho de Guimarães, emigrou com 13 anos para esta bonita região. “Emigrei em 1991, com os meus pais e irmãos. Estudei até aos 16 anos e depois não quis continuar e ingressei no mercado de trabalho e ingressei na construção civil, até aprender e hoje sou empresário do ramo em sociedade com um sócio no Mónaco. Uma sociedade monegasca, de um amigo meu e em que trabalho em parceria, ou seja arranjo os meus clientes, faço as minhas obras, dado ser difícil ter uma sociedade no Mónaco. O forte dos meus trabalhos é revestimentos duros, a pedra, o mármore, a tijoleira, revestimentos de piscinas, essa é a minha especialidade”
Hoje com a nacionalidade portuguesa e francesa, para além da sua actividade empresarial, Jorge Gomes despertou para a política por mero acaso “ tinha um bar restaurante, dado aos 22 anos já trabalhar por conta própria, aqui em Beausoleil e os clientes, por vezes eram barulhentos, aos fins de semana quando havia futebol e havia queixas dos moradores. O presidente da Câmara, na altura e falamos de 2001 a 2004, dado o actual presidente ter perdido as eleições em 2001 e o eleito e registe-se só havia dois bares restaurantes portugueses. Com a proibição de fumar no interior, os clientes vinham para o exterior e não podia impedir os clientes de falar. Vi aqui à câmara e o presidente em nada me ajudou, e o estabelecimento foi fechado 1 mês e depois arriscava 6 meses. Vendi o estabelecimento, aborrecido e foi apresentado ao candidato que é hoje presidente da câmara, que me convidou para integrar a sua equipa. Disse que sim e concorri para ajudar a derrotar esse presidente da Câmara. Ganhámos, fui escolhido, não estou arrependido e o “bichinho” despertou. Comecei no Conselho Municipal e, há um ano sou vereador, com o pelouro de adjunto dos serviços técnicos e tendo sob a minha jurisdição 110 funcionários. Hoje somos dois eleitos, portugueses, eu e uma eleita que é conselheira municipal- Cristiana da Silva”.
O objectivo do presidente é ter uma equipa de eleitos representativa da diversidade de nacionalidades dos 15 000 habitantes de Beausoleil e em uma média de 5 000 são portugueses. Temos quase tudo na cidade a nível de estabelecimentos portugueses e dedicados empresários, mas falta aos portugueses maior cultura política e o despertar para se inscreverem e votarem. Imagine que só temos 360 inscritos em que só votam 160 pessoas e assim não marcamos a nossa força. Os portugueses tendem a fazer tudo entre eles e isso faz com que as pessoas se “fechem na sua concha”; devia haver maior intercâmbio para despertar o interesse pela vida política, pela vida da nossa cidade, a cidade onde habitamos. Não damos valor à nossa força pelo nosso número e no futuro só os portugueses com o seu voto que quisessem escolher um presidente da câmara escolhiam-no! 5000 é um peso enorme de votantes! Com duas associações portuguesas e dois ranchos folclóricos na região, Jorge Gomes regista que o “abandono” de Portugal por esta região, até a nível consular “ainda bem que foi criado o consulado honorário de Nice e o Joaquim Pires assumiu o convite, pois as pessoas tinham que ir a Marselha para tratar de qualquer assunto consular, de qualquer documento de Portugal e esse “abandono” traduz-se em os portugueses não quererem participar. Por exemplo nas últimas eleições portuguesas onde podemos votar, o meu voto e; como o meu de muitos, nem sequer chegou.
Regista que não tem memória da visita de nenhum Secretário de Estado Português, com por exemplo o Secretário de Estado das Comunidades nem de deputados eleitos pela emigração. “Estamos aqui, esquecidos e apesar de nos Alpes Marítimos entre 30 a 40 mil portugueses, na sua maioria do Norte, não temos vôos diretos para o Porto a partir de Nice, e pela TAP temos que ir a Lisboa. Antigamente havia voos diretos e íamos várias vezes por ano a Portugal. Sem voos diretos para o Porto não vamos e Portugal perde com isso, pois não estamos dispostos a perder um dia de viagem, quando em menos de três horas… Estamos a negociar com a Air France, via Transávia”. Não é eleito por nenhuma força política e só pede mais apoio dos eleitos e dos políticos portugueses, para com os portugueses desta região.
António Freitas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.