Pedrogão Grande: MP “seguramente ouvirá” pessoas que tenham suspeitas de que houve crime

Data:

A ministra da Justiça disse esta quarta-feira que o Ministério Público (MP) “seguramente ouvirá” quem tenha indicações de que o incêndio de Pedrógão Grande terá tido origem criminosa, porque está em curso um inquérito-crime para apurar as causas da tragédia.

Confrontada com as suspeições sobre a origem criminosa do incêndio, avançadas pelo presidente da Liga dos Bombeiros, Francisca Van Dunem lembrou que a tragédia deu origem a um inquérito criminal, dirigido pelo MP, para apurar as causas, “pese embora a circunstância da Polícia Judiciária ter dito no primeiro dia que entendia que a avaliação que fazia era num determinado sentido”, ou seja, que tivera origem numa trovoada seca.

“Em qualquer caso, há um inquérito criminal em curso e o MP, no âmbito desse inquérito, seguramente também ouvirá as pessoas que têm indicações em sentido contrário para dar” aos investigadores.

“Elas lá dirão (…) e obviamente (o MP) fará as diligências necessárias para confirmar ou informar essa tese e apurar responsabilidades”, concluiu Francisca Van Dunem.

Entretanto, a Polícia Judiciária vai chamar o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) para que forneça todos os elementos de que dispõe sobre as suspeitas de origem criminosa do incêndio de Pedrógão Grande.

Fonte oficial da PJ disse à agência Lusa que Jaime Marta Soares vai ser chamado para que, “em sede própria e com a maior brevidade possível, forneça todos os elementos de que dispõe”.

Contactado pela Lusa, o presidente da LBP afirmou que suspeita que o incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande tenha tido “origem criminosa”.

No domingo, o diretor nacional da PJ afirmou que o incêndio em Pedrógão Grande teve origem numa trovoada seca, afastando qualquer indício de origem criminosa.

“Mantenho as minhas suspeições sobre as origens criminosas do incêndio”, sublinhou hoje Jaime Marta Soares sem adiantar mais pormenores.

O presidente da LBP disse ainda que saúda a investigação da PJ para apuramento da origem do incêndio.

A PJ vai chamar Jaime Marta Soares na sequência das declarações que fez hoje de manhã no Fórum da Rádio TSF sobre as suas suspeitas de “mão criminosa” na origem do fogo.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, e foi dado como dominado na tarde de hoje provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 30 mil hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.