Castelo de Sta Maria da Feira: um monumento notável…

Data:

D. Sancho I deixou-o, por testamento, a suas filhas e mais tarde foi incluído no património da Rainha Santa Isabel.

Diz a tradição que o Castelo de Santa Maria da Feira foi erguido no local de um templo indígena dedicado ao deus Bandeveluco-Toiraeco.
Obra emblemática da arquitetura medieval portuguesa de tipo militar, “é um dos nossos monumentos que melhor reflete a diversidade de meios de defesa utilizados durante a Idade Média, tendo sido fundamental em todo o processo de Reconquista e de autonomia do Condado Portucalense”, apresenta uma nota do IPPAR (Instituto Português do Património Arquitetónico e Arqueológico).
Foi castro romano e depois fortaleza ampliada na época da reconquista cristã. Dessa função original, resta hoje apenas o 1º piso da Torre de Menagem. A partir de 1117, desenvolveu-se ali uma das mais importantes feiras de Portugal, que, com o tempo, deu mesmo nome ao burgo que nasceu à sombra do castelo.
Foi fundamental para a vitória de São Mamede, em 1128, quando o alcaide deste castelo, Pêro Gonçalves de Marnel, tomou o partido de D. Afonso Henriques contra D. Teresa e o conde de Trava. No testamento de D. Sancho I de Portugal (1185-1211), redigido em 1188, este foi o principal dos cinco castelos eleitos pelo soberano para eventual refúgio da rainha, quando viúva, e das infantas. Em 1282, D. Dinis I de Portugal (1279-1325) incluiu-o entre os doze castelos assegurados como arras à sua consorte, a Rainha Santa Isabel. Mais tarde, ainda neste período, foi tomado pelas forças do infante D. Afonso, em luta contra o soberano, seu pai. Celebrada a paz entre ambos, por iniciativa da Rainha Santa (1322), o domínio deste castelo foi outorgado a D. Afonso, mediante o compromisso de menagem prestado por este último ao pai.
Após 1448, o Castelo de Santa Maria da Feira ficou na posse do nobre Fernão Pereira, que realizou algumas obras de reparação e reconstrução, transformando-o numa residência apalaçada. Data desta época a imagem arquitetónica essencial que apresenta até hoje. A 12 de janeiro de 1472, o mesmo Rei nomeou o filho daquele, Rui Vaz Pereira, 1º conde da Feira, senhor do Castelo e da Terra de Santa Maria. Aliás, as grandes obras que lhe regulam o prospeto e lhe definem o carácter arquitetónico hoje visível datam de finais do século XV, como a Torre de Menagem (estrutura central de um castelo medieval; é o seu principal ponto de poder e último reduto de defesa). Outra torre mais pequena, no lado nascente, forma um poço com uma bem lançada escadaria envolvente.

Incêndio e recuperação
Com a morte sem descendência do último conde (1700), o Castelo passou à casa do Infantado (1708). Na posse da coroa ou de particulares, consoante as mudanças de opinião de quem decidia, o Castelo sofreu algumas obras de conservação e remodelação, mas nunca perdeu o carácter medieval inicial.
Em 1722 o Palácio dos Condes, construído dentro das muralhas, e a Torre de Menagem sofreram um grande incêndio – ao que se diz por ordem do próprio rei D. João V, receoso das ambições de seu irmão, o infante D. Francisco.
Coube à municipalidade iniciar, em 1887, as obras da sua reconstrução, mas foi com a visita de D. Manuel II, em 1908, bem como com a criação no ano seguinte de uma Comissão de Proteção e de Conservação do Castelo, que as obras efetivamente se realizaram.
Uma campanha de subscrição pública angariou fundos para obras de restauração do imóvel, cujas ruínas passaram a ser vigiadas por um guarda. Nesse período, os Gonçalves Coelho e Vaz Ferreira descobriram três inscrições epigráficas. O castelo foi classificado como Monumento Nacional por Decreto publicado a 23 de junho de 1910.
A partir de 1927, as visitas ao monumento passaram a ser pagas. Entre 1935-1936 e 1939-1944, a Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) realizou obras de consolidação e restauro. Um novo acesso foi aberto desde 1950, e inaugurada a iluminação exterior do monumento em 1963, trabalhos que o valorizaram. O castelo voltou a passar por uma intervenção em 1986, um ano depois da Vila da Feira ter passado a cidade, sob a designação de Santa Maria da Feira.
Recentemente, a Comissão de Vigilância do Castelo de Santa Maria da Feira, em parceria com o IGESPAR, desenvolveu um Projeto de Conservação e Remodelação do Castelo de Santa Maria da Feira, salientando-se as obras de conservação e restauro da Capela e da Torre de Menagem, para utilização em conferências, reuniões, espetáculos musicais, exposições e outros eventos.

O que ver
Porta da Vila: A entrada do castelo faz-se pela chamada “porta da vila”. Esta entrada leva à “cerca avançada” ou “praça de armas” que conduz, pelo lado norte, à Torre de Menagem.
Torre de Menagem: Tem dois pisos. Grandes lareiras revelam o caráter residencial que o Castelo teve.
Torre do Poço: Colocado junto à torre de menagem, pelo lado nascente; é uma construção do séc. XV toda em granito e com oito janelas fechadas, formando nichos, com acesso pelo exterior com 136 degraus.
O poço tem 33,5 metros de profundidade e nascente própria.
Capela: Junto à muralha da cerca, está uma capela de estilo barroco, mandada construir em 1656. Esta capela veio substituir uma ermida muito antiga, entretanto demolida. Da antiga ermida passou para a atual capela, um precioso núcleo de imagens de pedra de ançã.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.