Frijobel inaugura nova unidade de processamento de pescado

Data:

No Espinheiro, concelho de Penela, a dois passos de Coimbra, a Frijobel, criada em 1988 pela família Vasconcelos, rapidamente atingiu patamares de crescimento no processamento de pescado, nas vendas e exportação, o que obrigou a fortes investimentos de ampliação das suas instalações. À atual capacidade instalada de produção de 15 toneladas por dia e uma área coberta de 7.000 metros quadrados, vai acrescentar uma mais moderna unidade, contígua à existente, com 15.000 metros quadrados de área coberta, capacidade de processamento de 40 toneladas diárias de pescado.

Emprega cerca de 130 colaboradores, sendo um dos maiores empregadores desta região, contribui fortemente para a fixação da população ativa e a sua acção estende-se por todo o território nacional, onde regista mais de 4500 clientes ativos, estando presente, desde a pequena à grande distribuição com os seus diversos tipos de pescado embalado que são servidos por três centros de distribuição localizados estrategicamente no centro de Portugal, Lisboa e Porto. PME líder Gold e PME Excelência há vários anos consecutivos, o aumento da sua capacidade operacional, teve na sua base, segundo o seu director geral, Paulo Júlio, uma decisão tomada em 2013 e “ constitui um importante passo na consolidação deste grupo industrial português, que para além da importação de pescado de todas as origens do mundo, é um dos principais processadores de pescado português, visando a valorização da economia ligada ao mar e contribuindo fortemente para o desenvolvimento da economia local e regional, pela via do emprego “.
A excelência dos seus produtos e serviços é garantida pela qualificação dos seus recursos humanos em que mais de 20% tem formação superior, na qualidade das matérias-primas utilizadas, e nas vendas no mercado externo pela via das exportações.
O volume dos negócios fechou em 2015 nos 29 milhões de euros, com um crescimento de 20% face ao ano de 2014. Se referenciarmos o ano de 2010, a indústria de Penela, praticamente duplicou o seu volume de negócios, constituindo-se assim, hoje, uma das principais empresas do sector do pescado, em Portugal.  Refere o CEO da empresa Paulo Júlio “ a Frijobel quer ser uma empresa global, ter clientes e parceiros em todos os continentes do mundo, estar junto das comunidades portuguesas, procurar novos segmentos de mercados e atingir a quota de 25 por cento do volume total de negócios, para a exportação, que, hoje, significa um valor aproximado dos 4 milhões de euros, boa razão que nos leva, mais uma vez, a  estar presente no próximo SISAB PORTUGAL, onde contamos receber os nossos parceiros, abrir portas a novos clientes e mercados, e apresentar a novidade do Grupo –  a Frijobel Global que aposta na filosofia da exportação de produtos da fileira agro-alimentar portuguesa, como os vinhos, azeites, queijo, fruta, mel, compotas, conservas, pickles e azeitonas”.
A estratégia da Frijobel passa assim por consolidar a sua posição como uma das principais indústrias do sector do pescado, colocando em funcionamento, em Maio de 2016, as novas e mais modernas instalações. A Frijobel atenta à inovação e novos hábitos de consumo, vai dispor da mais moderna tecnologia existente para levar ao consumidor do MUNDO, produtos do mar, processados na região Centro de Portugal.

A Frijobel Global
Mais do que uma empresa, a Frijobel Global é um conceito de orgulho português, trabalho em rede e qualidade, que aposta na exportação de produtos da fileira agro-alimentar portuguesa, fazendo a ponte entre uma rede de produtores portugueses e o Mundo, acrescentando o seu “braço comercial” e colocando junto do consumidor, vinhos de produção exclusiva, azeites, queijo, fruta, mel, compotas inovadoras, as conservas e as azeitonas. A Frijobel Global foi assim criada para ser um parceiro global associado à produção de excelência portuguesa, constituindo-se uma embaixadora de Portugal no mundo, promovendo a sua gastronomia, tradição, história e vivências do seu lado mais rural e diferenciador.
A Frijobel assenta os seus principais valores no seu compromisso e foco para construir parcerias duradouras e baseadas em confiança. Este novo projecto da Frijobel, criado para aproveitar sinergias da empresa mãe do grupo, que se tem vindo a destacar no panorama da economia ligada ao mar, em Portugal, apresentar-se-á numa área contígua ao stand da Frijobel, no SISAB PORTUGAL.  A Frijobel Global vai comercializar e distribuir vinhos de várias regiões, as compotas inovadoras, em que junta o doce da fruta com vários sabores como o Vinho do Porto, o queijo da Serra, Chocolate e uma gama “pepper” que alia o conceito de compota ao picante suave e ligeiramente adocicado de pimentos frescos.
Na gama dos azeites, as marcas Ouro do Sicó, Rosmaninho e Ancestral enriquecem a oferta. Os queijos da Serra e da região onde estão sediados, o Rabaçal, serão outra mais valia e, por fim, no cabaz de produtos portugueses, estão também as frutas – pêra, maça, laranja, cereja e framboesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.