A noite em que o terror voltou a Paris

Data:

Pelo menos 120 pessoas morreram na sexta-feira em vários ataques em Paris, cerca de cem destas numa sala de espetáculos onde decorria um concerto da banda norte-americana Eagles of Death Metal.

As primeiras notícias surgiram pelas 22:20 locais (21:20 em Lisboa), dando conta de várias explosões perto do Estádio de França, onde decorria o jogo particular de preparação para o Euro de futebol entre as seleções francesa e alemã, e de um ataque com arma de fogo num restaurante.

Pela 01:30 de sábado(00:30 em Lisboa), o número de mortos ultrapassava já uma centena, tendo a maioria morrido num ataque à sala de espetáculos Bataclan, onde à hora dos ataques estavam cerca de 1.500 pessoas a assistir a um concerto dos norte-americanos Eagles of Death Metal.

Naquela sala viveu-se uma situação de reféns, que terminou com um assalto policial durante o qual foram mortos três presumíveis terroristas.

Os ataques registados em Paris foram conduzidos em sete pontos diferentes da cidade, segundo fonte próxima do inquérito, citada pela Agência France Presse.

Os sete locais onde se deram os ataques são: Estádio de França, na Gare Du Nord, no restaurante Petit Cambodge, no bar Le Carrilon, no Bataclan Concert Hall, no Belle Equipe Bar, em Les Halle.

O presidente francês, que na altura dos primeiros relatos estava no Estádio de França, anunciou pelas 00:00 locais (23:00 em Lisboa) que decretou o estado de emergência no país e o encerramento das fronteiras na sequência de “ataques terroristas sem precedentes”.

Os ataques foram condenados por vários países, entre eles os Estados Unidos da América, a Alemanha, Portugal e o Canadá.

Em Portugal, já vários políticos demonstraram consternação com os ataques em Paris, entre estes, os candidato presidenciais Sampaio da Nóvoa e Marcelo Rebelo de Sousa, o secretário-geral do PS, António Costa e os partidos LIVRE e Bloco de Esquerda.

O Presidente da República Cavaco Silva, enviou na sexta-feira à noite um telegrama de Estado ao Presidente francês, François Hollande, expressando a sua “grande consternação” face ao que classificou de “hediondos ataques terroristas” em Paris.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, expressou as condolências e solidariedade ao presidente francês François Hollande e o repúdio de Portugal “de toda a forma de terrorismo” face aos atentados desta noite.

Também o Governo português lamentou na sexta-feira “profundamente” os ataques e disse desconhecer ainda se há vítimas de nacionalidade portuguesa.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.