Barro negro de Bisalhães candidato a Patrimómio Mundial da Unesco

Data:

Atualmente são sete os oleiros de Bisalhães que ainda trabalham o barro, quase todos idosos, num ofício duro, exigente, com recurso a processos ancestrais.

As peças que nascem pelas mãos destes artesãos são depois cozidas em velhinhos fornos abertos na terra, onde são queimadas giestas, caruma, carquejas e abafadas depois com terra escura, a mesma que lhe vai dar a cor negra.
E é “para salvar” esta arte que a Câmara de Vila Real está a preparar uma candidatura para que a olaria negra seja incluída na lista do Património Cultural Imaterial que necessita de salvaguarda urgente da UNESCO, apresentando plano de salvaguarda desta arte que remonta, pelo menos, ao século XVI.
“Pretendemos salvaguardar um património imaterial de enorme valor que está em vias de extinção como consequência das alterações sociais e económicas do meio que envolve a laboração do barro preto de Bisalhães”, afirmou o presidente da autarquia, Rui Santos. O autarca salientou que o município pretende avançar com “medidas de salvaguarda, com formação, com divulgação, com incremento económico com valor acrescentado do produto” e “o reconhecimento social daqueles que trabalham no barro”. A câmara pretende dar novo impulso a todas as ações de reabilitação e promoção deste património imaterial e eliminar o risco da sua extinção e, ao mesmo tempo, lutar também pela dignificação das condições de trabalho dos oleiros atuais e pela rentabilidade desta arte. Alguns destes oleiros passam os dias em pequenos espaços construídos numa das entradas da cidade de Vila Real, onde vendem e, ao mesmo tempo, aproveitam também para irem moldando novas peças, que são depois cozidas nos fornos na aldeia que dá nome a esta olaria. No início do mês a louça negra de Bisalhães foi inscrita no inventário nacional do Património Cultural Imaterial. A Assembleia da República (AR) saudou por unanimidade e aclamação o reconhecimento pelo Estado português do processo de confeção da louça preta de Bisalhães como Património Cultural Imaterial e manifestou o seu apoio à iniciativa da Câmara Municipal de Vila Real de apresentar uma candidatura à UNESCO. No voto de saudação, a AR considerou que a “louça preta de Bisalhães representa um elemento singular e ancestral da olaria nacional devendo a sua notoriedade à cor negra, que realça as suas formas e o seu cariz único”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.