Luso-eleita Alexandra Mendes defende maior abertura da imigração no Canadá

Data:

A presidente da ala do Quebeque do Partido Liberal canadiano está a favor de uma maior abertura no sistema de imigração do Canadá para atrair pessoas que queiram “contribuir para a construção do país”. A luso-canadiana Alexandra Mendes sublinha que o Canadá foi sempre um país “que abria as portas”, com a perspetiva de “venham e contribuam economicamente, socialmente e culturalmente”.

“Éramos um país conhecido no mundo inteiro por termos uma política de imigração aberta, acolhedora, aquilo que foi sempre visto como um contributo para a edificação do país também denominado de Nation Building, era essa a perspetiva da imigração, de trazer pessoas que queriam contribuir para edificação do Canadá”, afirmou Alexandra Mendes, em entrevista à Lusa. A lusodescendente, presidente da ala federal do Quebeque do Partido Liberal, defende uma maior abertura no sistema de imigração do Canadá para atrair pessoas que queiram “contribuir para a construção do país”.
Alexandra Mendes, que foi a primeira mulher portuguesa a ser eleita como deputada em Otava, entre 2008 a 2011, lamentou que o Governo conservador tenha transformado “pura e simplesmente a imigração numa ferramenta económica”, referindo que o Canadá foi sempre “aquele país que abria as portas”, que tinha aquela perspetiva de “venham e contribuam economicamente, socialmente e culturalmente”. “Damos oportunidades desde que trabalhem, que deem o vosso suor, se assim se pode dizer, para a edificação do país. E funcionava, pois somos um país com uma diversidade cultural e étnica enorme”, salientou.
A luso-canadiana apresentou recentemente a candidatura à nomeação para o círculo eleitoral de Brossard – San Lambert, a margem sul de Montreal, uma área que espera “voltar a representar” se for eleita em outubro de 2015. Alexandra Mendes dá o exemplo que, só na cidade de Brossard, 42% da população “nasceu no estrangeiro”, há 67 comunidades diferentes, sendo para todo o Canadá “um exemplo não só de harmonia social, mas de prosperidade”, uma cidade admirada por ser quase um “laboratório” do que deveria acontecer no país inteiro.
A lusodescendente recordou ainda os trabalhadores estrangeiros temporários portugueses que foram deportados em 2006 e 2007. “Este Governo transformou o que era um sucesso, que era a nossa política de imigração numa estrita questão contratual, vimos o que se passou com os trabalhadores estrangeiros temporários portugueses que foram deportados em 2006 e 2007, que nem lhes deu uma oportunidade, já cá estavam há dez ou doze anos, com contratos renovados, com crianças que nasceram aqui, já canadianas”, frisou.
Alexandra Mendes, de 50 anos, é a presidente da ala federal do Quebeque do Partido Liberal do Canadá, é licenciada em gestão de organismos sem fins lucrativos, na Universidade de Sherbrooke, trabalhou numa ONG e durante 15 anos tratou diretamente de questões relacionadas com a imigração. O Partido Liberal do Canadá, liderado por Justin Trudeau, pretende facilitar e apostar numa política de imigração que ajude o crescimento do país. Calcula-se que a comunidade portuguesa no Canadá seja constituída por cerca de 550 mil portugueses e lusodescendentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.