Estrada de ligação à Sertã vai estar cortada ao trânsito mais de dois meses

Data:

No dia 14 de Fevereiro, ou seja há um mês passado a estrada nacional 238 que se inicia em Manobra/Alviobeira e que liga Ferreira do Zêzere, Águas Belas, Vale Serrão, Ponte Vale da Ursa a Cernache do Bonjardim e  Sertã teve um derrocada e foi cortada ao trânsito.

Numa região que depende das suas ligações às cidades como Tomar e outras este corte e demora de obras leva que estas zonas isoladas, mais isoladas estejam ou que nos venhamos a esquecer delas e “morrer ainda mais” referem aos autarcas.  Por sua vez a  Ascendi, empresa responsável pela rede rodoviária na região do Pinhal Interior, informou que as obras de requalificação e desobstrução da EN 238, na Sertã, vão demorar cerca de dois meses, prazo justificado com a “complexidade” da intervenção.
Ou seja vão durar até pelo menos finais de Abril, o que nos dias de hoje não se justifica.  Em comunicado, a empresa fez saber que deu início à intervenção que visa reparar o talude que caiu na ER238, aproximadamente ao km 23, na zona entre Ferreira do Zêzere e Cernache do Bonjardim (Sertã), referindo que, “atendendo à complexidade da intervenção, se estima que a necessidade de desvio de tráfego se mantenha por um período de cerca de dois meses”.   O aluimento de uma barreira para aquela via, no dia 13 de fevereiro, arrastou para a estrada toneladas de pedras e terra, tendo sido de imediato interdita, e mais condicionada, a circulação automóvel na EN 238, com os trabalhos de remoção a serem prejudicados pela instabilidade dos terrenos e pelo desmoronamento de outras barreiras, na mesma estrada. Em declarações, o presidente da Câmara da Sertã, José Farinha Nunes (PSD), disse que aquela é uma “via estruturante que serve de ligação umbilical da Sertã a Ferreira do Zêzere e dali, por sua vez, a Tomar”.
“Esta é uma situação que põe a nu as fragilidades desta via e a necessidade urgente da sua requalificação, sendo fundamental para a economia e o desenvolvimento desta região”, sublinhou o autarca, tendo assegurado que os custos de transporte de mercadorias “são afetados entre 10 e 25% no seu custo pelas atuais condições desta estrada”. A Ascendi  limita-se a informar que o atual desvio de tráfego terá de ser mantido até que se encontrem reunidas as condições mínimas de segurança para a normal circulação dos condutores, recomendando a utilização de vias alternativas, sinalizadas no local, quer para veículos ligeiros, quer para veículos pesados de passageiros ou mercadorias.
A União de Freguesias de Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais (UFCBNP) aprovou em reunião do executivo, um Voto de Protesto para com a Ascendi, pela “passividade e falta de celeridade com que tem tratado o assunto da derrocada da EN 238”.
O referido documento começas por relembrar que o corte da estrada foi há um mês e as “viaturas ligeiras são forçadas a desviar por uma alternativa, com maior número de quilómetros e com mais demora no percurso, as viaturas pesadas e de transportes públicos têm de percorrer mais algumas dezenas de quilómetros pelo desvio por Vila de Rei”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.