Papa Francisco pede paz para zonas de conflito armado no mundo

Data:

O papa pediu, na sua tradicional benção “Utbi et Orbi”, realizada na varanda central da basílica de São Pedro, que seja restituída a paz no mundo, referindo-se em particular a Síria, Sudão do Sul, Iraque, Terra Santa e República Centro-africana.

Na sua primeira mensagem de Natal como papa, Francisco recordou que “as guerras destroçam tantas vidas e causam tanto sofrimento” e pediu na benção para a cidade e para o mundo que conceda a paz nos locais do mundo assolados pela violência.

O papa disse ainda que “as crianças são as vítimas mais vulneráveis das guerras” e aludiu igualmente aos “idosos, às mulheres maltratadas e aos doentes”.

Para a assistência de milhares de pessoas na praça de S. Pedro, o primeiro papa sul-americano referiu também que o conflito na Síria, entre o regime de Bashar al-Assad e os rebeldes que o querem depor, gerou já “ódios e vinganças” e “destruiu muitas vidas”.

“Rezemos ao Senhor para que o amado povo sírio se veja livre de mais sofrimentos e que as partes em conflito ponham fim à violência, garantindo o acesso ao acesso á ajuda humanitária”, afirmou Jorge Bergoglio.

O papa também fez alusão ao conflito na República Centro-Africana, “frequentemente esquecido pelos homens”, pedindo que “reine a paz também naquela terra, atormentada por uma espiral de violência e de miséria, onde muitas pessoas carecem de teto, água e alimento, sem o mínimo indispensável para viver”.

O líder da Igreja Católica apelou ainda para “a concórdia no Sudão do Sul”, país africano que obteve a independência do Sudão desde 2011 e no qual permanece um conflito armado.

“Que se converta o coração dos violentos, para que deponham as armas e empreenda, o caminho do diálogo”, disse, dedicando ainda palavras para a Nigéria, “lacerada por contínuas violências, que não respeitam nem os inocentes nem os indefesos”.

O papa manifestou ainda o desejo de que se chegue à paz na Terra Santa, que visitará no próximo ano.

“Bendita a terra em que Jesus veio ao mundo e faz com que se chegue a um feliz término as negociações de paz entre israelitas e palestinianos”, declarou.

O papa frisou também que não se pode “esquecer” o Iraque, rezando para que “saiam as chagas da querida terra assolada por frequentes atentados”.

Uma palavra também para “os deslocados e refugiados, especialmente no Corno de África e no leste da República Democrática do Congo” e para os emigrantes clandestinos que atingiram a ilha de Lampedusa, em Itália, a sua primeira visita como papa.

“Que os emigrantes, que buscam uma vida digna, encontrem hospitalidade e ajuda. Que não assistamos de novo a tragédias como as que vimos este anos, com muitos mortos em Lampedusa”, afirmou.

O papa também rezou para que “o Menino de Belém toque o coração de quantos estão envolvidos no tráfico de seres humanos, para que deem conta da gravidade deste delito contra a humanidade”.

E lembrou os “meninos sequestrados, feridos e assassinados nos conflitos armados e que são obrigados a converterem-se em soldados, roubando-lhes a infância”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.