Ministro da economia declara “guerra” ao alojamento clandestino no Algarve

Data:

O Governo vai apresentar, nos primeiros meses do próximo ano, uma proposta legislativa que enquadre o alojamento local “às novas realidades e tendências e combata o alojamento paralelo”.

O ministro da Economia anunciou a proposta na abertura da II Cimeira do Turismo de Portugal com o tema «Sazonalidade: ameaça ou oportunidade?». A questão foi debatida como um desafio à região onde, nos próximos tempos, vão encerrar a maior parte das unidades por falta de clientes.
 Pires de Lima declarou-se inimigo das “novas formas de alojamento que competem com base na evasão fiscal”. A questão, reconheceu, “é um problema sério mas estamos empenhados em contribuir para a sua resolução já no próximo ano”. Aos empresários, convidados pela Confederação do Turismo Português, deixou, neste encontro, a promessa de que podem contar com o Governo para “continuar a construir um destino mais diversificado no Algarve, mas nunca para entrar na miragem de que sol e mar têm importância relativa”.
As praias, recentemente elevadas à categoria de “melhores praias do mundo”, disse, estarão na primeira linha das acções de promoção. “O produto sol e mar é, e terá de continuar a ser, uma âncora e prioridade”. A competitividade do sector passa, afirmou, pela “burocracia asfixiante”  que desmotiva e afasta os investimentos. “Queremos que Portugal deixe de ser percepcionado – sei que muitas vezes injustamente – como um país onde aos empresários se criam dificuldades para depois lhes serem vendidas facilidades”.
O turismo residencial foi apontado por Pires de Lima como “um dos produtos que pode mitigar a sazonalidade”.  O sistema de vistos gold, destinados a atrair compradores para as muitas vivendas e apartamentos construídos, vai permitir a entrada em Portugal de cerca de 300 milhões de euros em 2013, o que “não é coisa pouca”, observou. Na recente  missão à Russia, que terminou, enfatizou, o “turismo residencial foi um dos pontos importantes da agenda, que mais interesse despertou”. A acção saldou-se pela criação de novas operações para o Algarve, no próximo ano, o que significa um “reforço de cerca de 30 mil turistas”.
Em relação à sazonalidade, o presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, afirmou que já viu “muitas vezes o filme da região das contradições”. A rebentar pelas costuras em Agosto, fechada nos meses de Inverno. “Tem sido sempre o mesmo filme ao longo dos anos – não me conformo, quero ver outro filme, com outro guião”. Numa crítica directa às novas propostas do Governo para o sector, afirmou: “Os desafios do futuro passam por dotar o Algarve de meios financeiros para a sua própria promoção, e não esvaziar a região  da sua própria autonomia, porque somos nós que sabemos onde e como nos devemos promover”.
No que diz respeito a novas rotas e voos, Desidério Silva criticou o papel da companhia aérea portuguesa: “Não posso deixar de referir a TAP que pouco ou nada tem contribuído para o desenvolvimento desta região ao não realizar voos de Faro para as principais cidades europeias o que faz toda a diferença, mas toda a diferença, na captação de mais turistas para o Algarve”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.