Banco Alimentar Contra a Fome inicia campanha “online” de recolha de alimentos

Data:

Numa altura em que aumentam os pedidos de ajuda e diminuem os produtos doados, o Banco Alimentar contra a Fome inicia hoje, 22 de novembro, mais uma campanha “online”, de recolha de alimento através do site www.alimentestaideia.net. A campanha prolonga-se até 8 de dezembro e é a primeira das três campanhas que o Banco Alimentar contra a Fome vai realizar até ao final do ano.

 

Isabel Jonet, Presidente da Federação Portuguesa de Bens Alimentares, destaca que “os resultados da campanha ‘online’ são muito importantes para os Bancos Alimentares”, revelando que em relação ao mesmo período de 2012, a campanha ‘online’ de maio deste ano registou um acréscimo “tanto em valor doado (78.555.68€), como em quantidade de produtos doados (73.588 kg)”.

“Considerando o contexto socioeconómico particularmente difícil que atravessamos e que continua, diariamente, a fragilizar a vida de milhares de pessoas e famílias em todo o país, é muito gratificante vermos que, mesmo em situação de dificuldade acrescida, esta rede solidária, criada ‘online’, permanece atenta e mobilizada”, sublinhou Isabel Jonet.

Para a campanha que se inicia agora, as pessoas podem fazer o seu donativo através da compra de alimentos básicos que estão disponíveis no site www.alimentestaideia.net: leite, atum, salsichas, açúcar, óleo e azeite. “As pessoas podem escolher o Banco Alimentar da sua região e recebem logo no seu e-mail um recibo que permite descontar nos seus impostos o donativo efetuado”, explicou Isabel Jonet.

Na última campanha, iniciada em maio e encerrada a 9 de junho, o portal de doações do Banco Alimentar, recolheu quase 90 toneladas de alimentos, num valor global de quase 117 mil euros. A campanha ’online’ contou com a adesão de 3.198 pessoas, tendo a média de doação sido de 36,54 euros. O leite o bem mais oferecido, seguido do azeite e açúcar. De entre os Bancos Alimentares da Federação, Lisboa, Porto, Setúbal e Braga foram os que receberam maior volume de doações online.

 

Mais pedidos de ajuda

Isabel Jonet adiantou que a campanha se realiza numa altura em que o Banco Alimentar Contra a Fome tem “mais pedidos (de ajuda) e menos produtos”. “Temos um crescimento do número de pedidos diretos, mas temos também um grande crescimento dos pedidos por parte das instituições, que nos pedem o reforço do cabaz mensal que lhes é entregue, porque têm mais dificuldades”, explicou.

Por outro lado, adiantou, os bancos alimentares tiveram “muito menos doações da indústria agroalimentar, que redimensionou a sua produção devido à quebra do consumo em Portugal”.

“O que temos de fazer, porque temos mais pedidos e menos produtos, é de ser mais inventivos e, por isso, lançámos a campanha «Papel por alimentos», para poder completar os cabazes, mas também temos de tentar sensibilizar mais pessoas para serem mais solidárias com as pessoas da sua região”, disse Isabel Jonet.

O Banco Alimentar realiza, duas vezes por ano, três campanhas: a campanha ‘online’, a tradicional recolha de alimentos nos supermercados (intitulada «Campanha saco») e a campanha «Ajuda vale», em que as pessoas podem comprar, na caixa dos supermercados, vales de seis produtos selecionados.

A “Campanha saco” e a “Campanha ajuda vale” vão decorrer entre 30 de novembro e 08 de dezembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.