EUA: Congressistas luso-americanos creem no adiamento da redução da Base das Lajes

Data:

A emenda que proíbe a redução da estrutura militar da Base das Lajes em 2014, aprovada pelo Congresso norte-americano, não foi incluída na lei que começou a ser discutida pelo Senado a 12 de novembro, mas congressistas luso-americanos acreditam que isso será corrigido.
À agência Lusa, os congressistas luso-americanos Devin Nunes e Jim Costa garantem que vão lutar para que a emenda seja incluída na lei final. “Infelizmente, a emenda não está presente na lei do Senado. Espero que a lei chegue ao Comité de Dialogo entre Congresso e Senado, o que nos dará uma oportunidade para recuperar a emenda”, explicou o republicano Devin Nunes à agência Lusa. “Independentemente do que acontecer, continuamos a ter uma ideia clara e sólida do caminho a seguir para defender esta localização estratégica”, garantiu o democrata Jim Costa.
A emenda, que é vista como uma oportunidade para evitar uma redução definitiva, não faz parte do National Defense Authorization Act (NDAA), a legislação que determina o orçamento da defesa americano, que começou a ser discutido na passada semana e poderá ser aprovado antes de 28 de novembro. Para a emenda estar presente, teria de ter sido apresentada quando o Comité das Forças Armadas do Senado discutiu o NDAA, o que não aconteceu.
O presidente National Organization of Portuguese Americans (NOPA), Francisco Semião, afirmou que é possível “apenas especular” porque isso aconteceu. “Pode ter sido devido à paralisação do Governo e às negociações do orçamento. As atenções destes políticos podem se ter desviado temporariamente”, disse Semião à Lusa.
Existiam agora duas alternativas para incluir a emenda na lei final: introduzida por um senador durante o no Senado ou proposta por um congressista quando o Comitê de Diálogo entre Congresso e Senado se reunir. “Estamos a pedir à comunidade que faça o mesmo que fez com o Congresso, que contate os seus senadores e peça que apoiem a emenda. Tenho a certeza de que o assunto já esta no radar dos senadores que representam as nossas comunidades”, diz Francisco Semião.
O responsável acredita que “há uma boa hipótese da emenda ser incluída”, mas alerta: “Mesmo que isso aconteça, terá depois de ir a votos. Nada está garantido. A comunidade tem de se fazer ouvir.”
A iniciativa que levou à inclusão da emenda foi promovida pelos congressistas Jim Costa, David Valadão, David Cicilline, Devin Nunes, James Langevin e William Keating e teve o voto unânime da Câmara dos Representantes a 23 de julho.
Na altura, em declarações à agência Lusa, Jim Costa disse que “a adoção da emenda é um grande passo em frente nos esforços para assegurar que a localização estratégica da Base das Lajes é mantida.”
Em declarações à agência Lusa, Devin Nunes defendeu que a iniciativa dava “oportunidade aos estrategas militares para trabalharem com o Congresso na análise das nossas bases europeias e decidir quais devem ser mantidas operacionais devido à sua importância no posicionamento global dos Estados Unidos.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.