Canadá quer receber mais residentes permanentes em 2014

Data:

O governo pretende contribuir para o “crescimento económico do país”, que precisa “de novos imigrantes”, disse o ministro da Cidadania e Imigração.

Na apresentação do plano de imigração, feita no final e outubro, Chris Alexander, explicou que o Canadá “está numa competição global pelos melhores e mais brilhantes imigrantes, e este plano é trabalhado para atrair as pessoas necessárias para o país ter sucesso”, divulgou a agência Lusa. 
As autoridades preveem que os motivos económicos estejam na origem da escolha de 63 por cento dos novos imigrantes. Em 2014, o Canadá espera receber 14 mil residentes permanentes através do programa Classe Experiência Canadiana (CEC), o maior número desde que foi lançado o programa, em 2008, que já permitiu a atribuição de 25 mil registos. O CEC permite a transição para residência permanente de quem cumpra requisitos de linguagem e tenha pelo menos um ano de experiência de trabalho qualificado no Canadá. O modelo inclui também estudantes estrangeiros graduados que se encontram no país a trabalhar numa situação legal.
Outra solução de registo é o Programa de Nomeação Provincial, que inclui contratações para suprir carências regionais, que pretende acolher 44.500 a 47 mil residentes permanentes em 2014, o que também representa os mais altos níveis de sempre. Este é o segundo maior programa da imigração económico do Canadá, tendo abrangido em 2000, cerca de 1250 candidatos, passando para quase 41 mil em 2012. Todas as províncias, menos o Quebeque e Nunavat, têm acordos de nomeação provincial. Relativamente ao acordo entre o Canadá e o Quebeque, a província, que tem uma forte comunidade portuguesa, tem a última palavra para a seleção dos seus imigrantes, que devem seguir os requisitos de admissibilidade do governo federal. 
O governo canadiano vai ainda analisar a partir de 2015 os pedidos de residência permanente através de um projeto que avalia as competências e experiência profissional. No dia em que Chris Alexander anunciou alguns programas da imigração para 2014, foi também divulgado o novo documento de qualificação de novos trabalhadores – EOI (Expression of Interest), que irá enquadrar os pedidos a partir do dia 1 de janeiro de 2015. Segundo algumas informações disponibilizadas pela Cidadania e Imigração do Canadá, e citadas pela Lusa, através da sua página na internet, a premissa base do programa implica ter emprego no local de destino.
O EOI irá selecionar os imigrantes com base nas competências que os empregadores canadianos necessitem, e por sua vez, os candidatos comprometem-se a “adquirir a cidadania canadiana”. O sistema funciona por duas etapas. Inicialmente, os potenciais imigrantes indicam o seu interesse em ir para o Canadá, facultando informações online das suas competências e experiência profissional. Os candidatos que preencham os critérios de elegibilidade ficarão numa bolsa de candidaturas a que os empregadores poderão recorrer. A Cidadania e Imigração do Canadá “pretende selecionar os melhores candidatos”, com as competências exigidas ou com ofertas de emprego. Os candidatos também serão avaliados por fatores como a educação, experiência profissional e conhecimento da língua. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.