Estoril Open passa a chamar-se Portugal Open

Data:

“Hoje, tenho de me render à afirmação de que o Estoril Open não é imortal. Morre aqui hoje, ao fim de 23 anos, mas celebramos o nascimento de um outro evento continuação do Estoril, nasce algo mais patriótico: o Portugal Open”. Foi assim que João Lagos anunciou a alteração do nome do maior torneio de ténis português.

O diretor do Estoril Open em ténis, João Lagos, anunciou a alteração do nome do torneio para Portugal Open, mudança que terá efeito já na edição deste ano. De acordo com o responsável, foi uma decisão ponderada e que teve aconselhamento de várias personalidades, nomeadamente do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, que terá sugerido que o nome Portugal Open remete para algo mais patriótico. “Hoje, tenho de me render à afirmação de que o Estoril Open não é imortal. Morre aqui hoje, ao fim de 23 anos, mas celebramos o nascimento de um outro evento continuação do Estoril, nasce algo mais patriótico: o Portugal Open”, anunciou João Lagos durante a conferência de imprensa de apresentação da prova, no Complexo de Ténis do Jamor, em Lisboa.
O responsável adiantou que se tratou de uma decisão “muito ponderada”, a concretização de um “desejo muito antigo”, sublinhando que havia sempre “um desconforto nas gentes de Oeiras e Cascais” pelo nome do torneio. “Entendemos que a mudança deste título e ‘naming’ de Estoril evoluir para Portugal é um ato que vem contribuir e reforçar em grande medida à internacionalização da nossa marca e do nosso país e o reconhecimento que este precisa cada vez mais”, disse João Lagos.
João Lagos revel que a alteração do nome para Portugal Open “não está associada a qualquer apoio oficial”, admitindo tratar-se apenas “de um sentimento” que teve.
“Temos de nos habituar, e peço [desculpa] pela falsa modéstia, mas o grande patrocinador do Open é um tipo chamado João Lagos e por isso ele está sempre presente desde 1990 e cá continua apesar de todas as dificuldades”, disse o empresário quando questionado acerca dos patrocinadores do torneio.
Este ano, o torneio perdeu o patrocínio do Banco Espirito Santo, que apoiava o evento desde o seu início em 1990, mas João Lagos mantém ainda a esperança de que até dia 27 ainda possa acontecer muita coisa, sublinhando, no entanto, que o Open “é suficientemente forte, inclusive para superar uma dificuldade desse tipo [ficar sem patrocinador]”.
Apesar da mudança de nome, o Portugal Open, que se realiza entre 27 de abril e 5 de maio, irá ter algumas estrelas do ténis mundial, nomeadamente o argentino Juan Martin Del Potro, número sete do “ranking” ATP e atual campeão, que irá tentar conquistar o “tri” consecutivo, algo inédito na história do torneio.
Em femininos, destaque para a francesa Marion Bartoli, 11.ª da hierarquia WTA e vice-campeã de Wimbledon em 2007, e para as italianas Roberta Vinci (número um mundial em pares) e Francesca Schiavone.
Em relação aos portugueses, este ano nenhum tenista se qualificou diretamente para o quadro principal do torneio, pelo que serão, tanto em masculinos como em femininos, atribuídos “wild cards” (convites).
Apesar de no anúncio de promoção do torneio aparecerem João Sousa e Pedro Sousa, João Lagos garantiu que a sua presença deve-se ao facto de João Sousa ser o único português no top-100 e de Pedro Sousa ser o luso que roubou um “set” ao campeão Del Potro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.