Emigração portuguesa cresceu 85 por cento entre 2010 e 2011 – INE

Data:

Em 2011, saíram de Portugal 43.998 pessoas.  Mais 20.238 do que em 2010. São os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e indicam que a emigração cresceu 85 por cento entre 2010 e 2011, o ano em que o maior número de emigrantes se situava na faixa etária dos 25 aos 29 anos.

O número de pessoas que saiu de Portugal em 2011 aumentou 85 por cento em relação a 2010 e a faixa etária em que mais se registou a saída foi entre os 25 e 29 anos.
Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre estimativas anuais de emigração indicam que em 2011 emigraram, no total, 43.998 pessoas, na sua grande maioria cidadãos de Portugal. Do total de 43.998 pessoas que abandonaram Portugal, estima-se que 41.444 seriam portugueses e 2.554 nacionalidades estrangeiras.
Em 2010, o INE estima que tenham saído de Portugal um total de 23.760 indivíduos (16.899, em 2009), sendo que 22.127 teriam nacionalidade portuguesa e 1.633 de nacionalidade estrangeira.
De acordo com os dados do INE, apenas entre os cidadãos portugueses, terão emigrando em 2011, pouco mais de 85 por cento de pessoas do que em 2010. E se em 2010 o maior número de emigrantes se situava na faixa etária dos 20 e 24 anos (3.815 emigrantes), em 2011 a maior fatia de indivíduos a abandonar Portugal tinha entre 25 e 29 anos (5.876), logo seguida dos indivíduos entre os 20 e 24 anos (5.784) e entre 30 e 34 anos (5.027).
Um dado a assinalar é que há milhares de crianças e adolescentes que emigraram nesses dois anos. Em 2010, foram 2.580 os adolescentes entre os 15 e os 19 anos, que saíram de Portugal. Um ano depois, esse número subiu para 3.315.
Já na faixa etária entre os 10 e os 14 anos, em 2010 verificaram-se mais saídas de crianças – 1.805 – do que no ano seguinte – 1.479. Em  2010, emigraram 2.320 crianças dos zero aos quatro anos, 2.077 crianças entre os cinco e os nove anos. Um ano depois, os dados do INE indicam que emigraram 1.326 crianças dos zero aos quatro anos e 1.302 entre os cinco e os nove anos.
Dado comum aos dois anos analisados foi o local de destino da maioria dos portugueses que decidiram emigrar: outro país da União Europeia (UE). Em 2010, dos 23.760 indivíduos emigrantes, 19.418 terão ido para um outro país da União Europeia (UE) e 4.342 deslocaram-se para um país fora da UE. Em 2011, foram 28.419 as pessoas que emigraram para um país da UE, enquanto 15.507 decidiram-se por uma nação extra comunitária – um número que aumentou consideravelmente em relação ao ano anterior.
Segundo dados disponibilizados pelo Observatório da Emigração, Angola, Reino Unido, Suíça, Espanha, Alemanha, Luxemburgo, Brasil e a Holanda são os países que mais receberam emigrantes portugueses. Os países que também receberam portugueses, mas em menor número, foram Noruega, Dinamarca, Suécia, Macau, Áustria, África do Sul, Austrália e Argentina e Nova Zelândia.
Ana Grácio Pinto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.