Parque do Côa classificado como monumento nacional

Data:

O Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC) vai ver classificado como monumento nacional um conjunto de sítios arqueológicos, na sua maioria, descobertos após a classificação da região como Património Mundial da UNESCO. “Temos mantido no terreno, em permanência, pelo menos um arqueólogo, que ao longos dos últimos anos tem vindo a fazer prospeção e vai identificando sítios e confirmando informações que surgem no seio da população local, tendo este trabalho dado os seus resultados, “ disse, o diretor do PACV, António Batista.
Desde a revelação das gravuras rupestre do Vale do Côa, em 1995, continuam a acrescentar-se novas descobertas e hoje são mais de 70 os sítios arqueológicos já identificados, havendo outros que vão ser classificados ou reclassificados, aumentado para mais do dobro o número de locais de interesses arqueológico.
“Perante este cenário, estamos sempre a recolher informação, que depois é disponibilizada no centro de interpretação”, afirmou, recordando que já foram registadas “mais de um milhar de rochas gravadas no paleolítico superior”. Foi publicada em Diário da República (DR) a alteração da classificação como monumento nacional de um conjunto dos sítios arqueológicos no Vale do Rio Côa, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, que vai ser classificado como monumento nacional, e inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO em 1998.  Os sítios arqueológicos de arte rupestre de “Fonte Frieira”, “Vale das Namoradas”, “Vale de Figueira/Teixugo”, “Quinta da Barca” e “Quinta de Santa Maria de Ervamoira”, integrado num conjunto arqueológico do Vale do Rio Côa, serão classificados como monumento nacional.
A reclassificação de outros pontos de interesse, de forma a integrar os núcleos de arte rupestre constam os conjuntos de “Canada da Moreira”, “Vermelhosa”, “Foz do Côa”, “Vale de Cabrões”, “Vale de José Esteves”, “Alto da Bulha”, “Canada do Amendoal” e “Vale do Forno”, estão atualmente em vias de classificação. O PAVC ocupa uma área de cerca de 20 mil hectares de terreno, sendo que alguns dos sítios são de “difícil acesso” para investigadores e visitante e onde “a prospeção arqueológica vai continuar”. Por outro lado, os técnicos do PAVC fazem o acompanhamento de outros achados nas regiões vizinhas do Douro, Águeda e Sabor.  
Um dos exemplos são as pinturas da Fraga do Gato, localizadas na calçada de Alpajares, no concelho de Freixo de Espada à Cinta e que vão ser classificadas como imóvel de interesse público. “Trata-se de um pequeno abrigo na rocha que tem duas figuras pintada datadas do Paleolítico, e que representam uma lontra e um bufo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.