Portuguesa integra equipa que identificou causa de infecções hospitalares

Data:

A investigadora portuguesa Paula Salgado integra a equipa londrina que realizou uma investigação que permitirá atacar eficazmente as doenças provocadas por um fungo, quarta causa de infecções hospitalares.

Os resultados da investigação foram divulgados em Setembro numa conceituada revista científica.
A publicação, feita em co-autoria com outros investigadores na importante «Proceedings of the National Academy of Science», revela os resultados da pesquisa que permitiu perceber, pela primeira vez, como um fungo patogénico consegue reconhecer e ligar-se a tecidos humanos e dessa forma causar infecções.
Em pessoas doentes, com o sistema imunitário debilitado, nomeadamente devido a quimioterapia, transplantes ou HIV, o fungo pode circular pelo sangue e atacar vários órgãos. Nos casos mais graves, a taxa de mortalidade pode chegar aos 50 por cento, uma vez que muitos dos medicamentos utilizados hoje em dia não conseguem erradicar completamente o fungo.
Em declarações à Agência Lusa, Paula Salgado salientou que o trabalho de investigação feito ao longo dos últimos três anos será “determinante para se poderem desenhar os fármacos mais eficazes” para combater este tipo de infecções, as quartas de maior incidência em meio hospitalar, muitas vezes através de superfícies de plásticas implantadas no corpo, como cateteres ou aplicações protéticas.
O trabalho da equipa do Imperial College de Londres, de que Paula Salgado é uma das principais investigadoras, focou-se numa proteína que fica à superfície do fungo Candida albicans e que lhe permite reconhecer e ligar-se a proteínas humanas, contribuindo para a invasão dos tecidos.
É sobre este mecanismo que novos fármacos poderão agora actuar, estando para já os investigadores a testar baterias de compostos moleculares que possam interferir com essa proteína. “O mais natural é que as empresas farmacêuticas em seguida peguem no nosso trabalho e desenvolvam medicamentos apropriados”, acrescentou Paula Salgado.
Para a investigadora, “a maior parte das mulheres saudáveis têm infecções moderadas provocadas por este tipo de fungo alguma vez nas suas vidas, mas o que é menos conhecido é que estes mesmo fungos podem ser letais, e uma enorme preocupação para doentes hospitalares vulneráveis”.
Já existem tratamentos capazes de combater este tipo de infecções e eliminá-las dos instrumentos clínicos, mas os microrganismos estão constantemente a metamorfosear-se e a tornar-se resistente aos medicamentos. É por esse motivo que estudos como os realizados por Paula Salgado são importantíssimos, pois permitem agir sobre os seus mecanismos essenciais.
Paula Salgado está desde 2001 em Inglaterra, para onde foi obter o doutoramento em Oxford, de onde transitou para o University College de Londres. Desde 2007, que é investigadora no Imperial College de Londres.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.