Chaves: Sanfins de Castanheira sem água da rede há três meses

Data:

 A população de Sanfins da Castanheira, em Chaves, concentrou-se em frente ao edifício dos serviços municipalizados da água e saneamento e exigiu explicações para o facto de não ter água da rede pública há três meses. A aldeia, a 24 quilómetros de Chaves, “sempre” teve problemas de falta de água, sobretudo nos meses de verão, afirmou  o presidente da junta de freguesia, Carolino Pinheiro.
Contudo, disse, este ano “sentiu-se mais essa falta porque não tem chovido e os nascentes não enchem”. “Optámos por fechar o depósito da água à noite e abri-lo de manhã e, desta forma, as pessoas sempre vão tendo um ‘pouquinho’ de água, mas que é insuficiente”, explicou. Os técnicos do município, explicou, já foram “várias vezes” ao local, mas não conseguem detectar o motivo desta situação.
Johanna Mendéz, residente em Sanfins da Castanheira, confessou  que, nos últimos três meses, têm sido os vizinhos que têm explorações privadas de água a dar-lhe água.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.