Reunião familiar é factor determinante na ida para o Canadá

Data:

Não são muitos, se comparados com os que estão a emigrar para Inglaterra, Suíça ou Luxemburgo, mas há portugueses que continuam a rumar ao Canadá para “fugir” à crise em Portugal. Na hora de optarem por aquele país do continente americano, ajuda o facto de terem familiares a residirem lá.

Dado o difícil processo de imigração imposto pelas autoridades canadianas, o factor de reunião familiar ajuda a pesar na balança no momento da escolha de destino.
Não se conhecem números expressivos de novos emigrantes originários de Portugal, há apenas casos esporádicos na comunidade e alguns trabalhadores contratados por empregadores, sobretudo do sector da construção, refere a agência Lusa.
As representações consulares portuguesas no país também não dispõem de números de novos fluxos, considerando, em termos gerais, que a emigração portuguesa para o Canadá está estagnada.
Por outro lado, o apertado controlo da imigração no Canadá assim como a forte mediatização dos processos de deportação fizeram com que, a existir alguma imigração indocumentada (seja de que país for), ela viva completamente na sombra.
Não é este, porém, o caso de dois novos emigrantes portugueses que a ancia Lusa encontrou em Montreal e em Toronto. Cláudia A. chegou em Outubro passado a Montreal, oriunda de Minde, em Alcanena, fugindo à crise que Portugal atravessa.
“Fui a única da minha família directa a emigrar”, afirma à Lusa a jovem de 21 anos, adiantando que os pais e os dois irmãos permanecem em Portugal. Quis sair de Portugal por não ter perspectivas de futuro. E como já cá tinha uma parte da família, decidi vir e estou satisfeita”, explicou
De início foi viver com uma tia materna e mantinha dois empregos, mas agora, menos de seis meses volvidos, já trabalha apenas numa conhecida churrasqueira portuguesa na alameda Saint-Laurent e mudou-se para o seu próprio apartamento.
“Trabalho muito, mas essa é a vida de emigrante. O meu objectivo é juntar algum dinheiro, ficar com uma situação mais confortável e então ver as minhas opções aqui. Possivelmente irei para a universidade”, o que não chegou a tentar em Portugal, revela.
O facto de ser luso-canadiana faz com que Cláudia esteja em situação 100 por cento legal, usufruindo dos direitos plenos como cidadã.

Portugal só para férias

Quando agora pensa em Portugal, agrada-lhe a ideia de “ir gozar férias”, para rever a família e os amigos. Só de férias, porque o plano para o médio prazo está traçado: ficará no Canadá.
Paulo S. completará no próximo mês um ano a viver em Toronto, desde que deixou Viseu. “Há dois, três anos que queria sair de Portugal”, diz à Lusa, precisando que a ideia inicial era ir para um país europeu e fazer um mestrado.
O encontro com a namorada (com quem entretanto se casou) mudou-lhe o destino rumo a Toronto.
“Estou satisfeito com esta decisão, também atendendo à situação de crise em Portugal que piorou muito nos últimos meses”, refere.
Actualmente, sente-se adaptado à nova vida em Toronto e nem a língua inglesa foi um obstáculo. Paulo iniciou já o processo com vista à obtenção de residência permanente no Canadá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.