Reino Unido: Autarca de Lambeth defende promoção do ensino da língua portuguesa

Data:

O município londrino de Lambeth, Inglaterra, está disponível para apoiar acções de promoção do ensino da língua portuguesa, afirmou o presidente da Câmara local, Steve Reed, durante a visita que realizou a Lisboa entre 6 e 8 de Abril, para uma série de reuniões com responsáveis das áreas do ensino, desporto e comunidades portuguesas.

O apoio ao ensino da língua portuguesa em Londres e a apresentação do Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona – um projecto sócio-comunitário que entrou recentemente em actividade em Lambeth e que recebeu o apoio da autarquia local – foram dois dos temas da agenda de Steve Reed, autarac eleito pelo Partido Trabalhista. Contudo, o principal objectivo da deslocação do autarca à capital portuguesa foi promover e organizar a recepção da equipa olímpica portuguesa no município de Lambeth em 2012, durante a realização dos Jogos Olímpicos em Londres.
Lambeth – onde está situado o bairro conhecido por «Little Portugal», devido à sua numerosa comunidade portuguesa – pretende ser uma espécie de «Casa de Portugal» durante a competição, organizando eventos, recepções e encontros dos atletas com a comunidade local. Um programa variado que terá actividades a decorrer no Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona.
Na deslocação à capital portuguesa, Steve Reed fez-se acompanhar pela deputada responsável pelas áreas da Cultura e Desporto, eleita pelo círculo eleitoral de Lambeth e por Luis Ventura, Adelina Pereira e Lia Matos, dirigentes do Centro de Apoio à Comunidade Lusófona.

Promoção do ensino

Uma reunião com o vice-presidente do Instituto Camões (IC), Mário Filipe. Para além da apresentação do município de Lambeth, o autarca defendeu uma parceria entre o IC e o Centro de Apoio à Comunidade Lusófona, para a promoção do ensino de Português em Londres.
“O Português é uma língua importante a nível mundial, muito por causa do Brasil, e queremos perceber como ajudar a promover o seu ensino nas escolas”, desse Steve Reed ao Emigrante/Mundo Português no final do encontro com Mário Filipe.
O autarca defendeu ainda “mais apoios para as actividades culturais portuguesas”, afirmando que a comunidade lusa “é muito importante”. “Os portugueses são a maior comunidade estrangeira e estão num processo de integração a vários níveis”, explicou, acrescentando ser a sua intenção que a população em geral “conheça a cultura portuguesa, o que ajudará na sua integração.
Adelina Pereira, dirigente do Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona e «Portuguese Speaking Comunities Champion» – o elemento de ligação das comunidades lusófonas locais ao autarca – acrescentou que a visita pretende o desenvolvimento de programas de parcerias com o IC que dêem “maior visibilidade” à língua portuguesa, “com a possibilidade da inclusão nos currículos escolares londrinos. Nesse sentido defende ainda que a comunidade portuguesa pode ter um importante papel de “pressão” a desempenhar.
Além da reunião no IC e de encontros com o secretário de Estado do Desporto e Juventude e o presidente do Comité Olímpico de Portugal, a comitiva liderada por Steve Reed foi recebida por António Braga, a quem defendeu a importância de um centro de apoio que ajude à integração dos inúmeros portugueses que têm chegado à cidade. “Muitos chegaram recentemente e não sabem como o sistema funciona e a ideia (de criação de um centro de apoio à comunidade) é fornecer-lhes a informação de que precisam para se integrarem completamente”, disse Steve Reed à Lusa, no final do encontro com o secretário de Estado das Comunidades.
António Braga destacou a preocupação das autoridades de Lambeth com a integração completa da comunidade portuguesa. Sobre a reunião, o governante referiu que foram debatidos “aspectos particulares de um entendimento que já vínhamos desenvolvendo há algum tempo, nomeadamente mobilizando o Instituto Camões para criar melhores condições em alguns projectos da autarquia, no sentido de desenvolver especialidades para o ensino da língua portuguesa”.
Sobre a possibilidade da integração do Português como língua de opção no ensino oficial e as possibilidades de cooperação de Portugal com o projecto do Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona, António Braga lembrou que “um Governo em gestão não pode assumir compromissos dessa natureza”, mas revelou que foram desenvolvidas “linhas de actuação que no futuro poderão vir a ser consolidadas pelo Governo que vier a seguir”.

Portugueses formam a maior comunidade estrangeira em Lambeth

Tida como a zona mais conotada com a presença portuguesa no Reino Unido, o município de Lambeth alberga “cerca de 50 mil portugueses e luso-descendentes”, como revelou Luis Ventura ao Emigrante/Mundo Português. A comunidade lusa constitui o grupo de estrangeiros com maior expressão no município, tendo, em termos políticos, um grande potencial eleitoral e de representatividade, já que os portugueses têm direito de voto nas eleições autárquicas.
Uma realidade que não deixou indiferente o presidente da Câmara local. Steve Reed apoiou desde o início, a criação Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona de Lambeth, um espaço que pretende ser a «Casa da Lusofonia» na região de Londres. “Foram eles que deram o pontapé de saída do Centro, com a atribuição de 500 mil libras (572 mil euros)”, avançou Luis Ventura, acrescentando que “estima-se que existem entre 400 e 600 mil lusófonos em Londres e praticamente não se tem feito nada em termos de apoios”.
A atribuição da verba foi aprovada pela assembleia municipal de Lambeth em Outubro de 2009 e o Centro Português de Apoio à Comunidade Lusófona, entrou recentemente em actividade.
Luis Ventura explicou ainda que o espaço pretende sediar actividades ligadas à educação, cultura e negócios, nomeadamente cursos de inglês, informática e português. O Centro deverá ainda este ano dinamizar, com o apoio da autarquia de Lambeth, o «Mês Lusófono» em Londres. O evento que deverá ocorrer em Outubro, pretende ser uma celebração da lusofonia, com actividades diversas relacionadas com os países lusófonos, e realizar-se todos os anos.
Além das actividades de cariz educativo, cultural e económico, o Centro foi pensado para ser um espaço de apoio à integração aos emigrantes que chegam à área de Londres. “Há uma nova vaga de emigração portuguesa, chegam aviões com famílias todos os dias”, revela Adelina Pereira, alertando para o facto de chegarem “pessoas em situação limite, com pouco dinheiro”.
“Têm problemas em arranjar emprego porque não sabem que, por exemplo, é preciso abrir uma conta bancária, e registarem-se nos serviços de saúde para que lhes seja atribuído um médico de família”, explica a dirigente do Centro, acrescentando que este pretende desenvolver um trabalho no sentido de facilitar “na medida do possível a integração desses portugueses” e lusófonos em geral. “Algo que requer mais conhecimentos do que propriamente recursos financeiros”, disse.

Ana Grácio Pinto
apinto@mundoportugues.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.