Luxemburgo: Santuário de Fátima vandalizado com cruzes suásticas

Data:

Os actos de vandalismo de que foi alvo o Santuário de Nossa Senhora de Fátima de Wiltz, no fim-de-semana de 12 e 13 de Fevereiro, indignaram os portugueses residentes no Luxemburgo. A comunidade diz que foi mais um caso de xenofobia de que tem sido alvo e afirma que a imprensa luxemburguesa não fala do assunto.

Mandado edificar nos anos 1950 por um grupo de moradores de Wiltz, o Santuário é hoje um local de culto para a comunidade portuguesa.
“A imagem de Nossa Senhora foi desfigurada e vandalizada com desenhos e palavras de ordem satânica e racista”, escreveu Marcel Schweig, um morador naquela localidade, no site de jornalismo cidadão mywort.lu, citado pelo jornal português no Luxemburgo, «Contacto».
De acordo com Marcel Schweig, na imagem da Nossa Senhora foram desenhadas cruzes suásticas e sobre as placas com os nomes das vítimas da última ofensiva nazi naquela cidade durante a II Guerra Mundial foram escritas palavras como “Satanás” e “Morte”.
Contactado pela Lusa, o presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL), Coimbra de Matos, disse que “é difícil dizer que estes actos estão directamente relacionado com a comunidade”, mas sublinha que “nos dois últimos anos, a comunidade tem sido alvo de vários (ataques xenófobos)”. Coimbra de Matos referia-se aos e-mails, panfletos e mensagens na Internet contra os portugueses que têm sido divulgadas.
“O problema aqui é que parece que as autoridades estão com medo de avançar com processos a sério. Enquanto não houver medidas duras, isto vai continuar”, alertou, acrescentando que “fazem-se inquéritos, nunca se sabe os resultados, as pessoas continuam a fazer o que sempre fizeram”.
“Quando houver uma punição severa para alguém, penso que tudo se resolverá”, disse ainda.
O presidente da CCPL revela que a comunidade portuguesa está “preocupada” com estes actos de xenofobia, e afirma estranhar que a “imprensa nacional luxemburguesa não fala do assunto”.
Entretanto, o portal de notícias “Bom Dia Luxemburgo” noticiou no dia 16 deste mês, que o site que publicou artigos racistas e discriminatórios contra os portugueses foi encerrado. “Finalmente fez-se justiça”, disse Coimbra de Matos, em declarações ao portal.

OGBL condena profanação

Também a organização sindical luxemburguesa OGBL condenou a profanação do santuário, “um importante símbolo religioso para dezenas de milhares de pessoas no Luxemburgo”, considerando ter-se tratado de “actos racistas e desprezíveis”.
“A OGBL denuncia esses actos e apela a todas as forças políticas, judiciais e policiais para realizarem os inquéritos necessárias e punirem os responsáveis”, lê-se numa nota enviada à imprensa pela organização sindical.
No texto do comunicado, defende ainda que “tudo deve ser feito ao nível da educação e dos meios de comunicação social, para prevenir futuros actos tão bárbaros”. “Paz e solidariedade entre os povos são bens tão precioso que não temos o direito de se esquecer”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.