Alijó: José Sócrates “lança primeira pedra” da barragem do Tua

Data:

O primeiro-ministro, José Sócrates, lançou  em Alijó, a primeira pedra da Barragem De Foz Tua, uma obra estimada de 300 milhões de euros que vai submergir 16 quilómetros da linha ferroviária do Tua.

O executivo de José Sócrates escolheu os distritos transmontanos de Vila Real e Bragança para realizar a primeira iniciativa do Governo Presente de 2011, que decorreu durante dois dias, neste distrito transmontano. A viagem por Trás-os-Montes começou em Alijó, onde José Sócrates, concelho de sua naturalidade, onde   lançou a primeira pedra da barragem de Foz Tua, que se inclui no Plano Nacional de Barragens e se insere na estratégia de reduzir a dependência energética do país face ao exterior e no incremento das energias renováveis.
A Declaração de Impacte Ambiental (DIA) aprovou a construção a uma quota de 170 metros com a inundação de 16 quilómetros de carris da linha do Tua. A barragem tem um investimento estimado de 300 milhões de euros e deverá produzir 619 gigawatts por ano a partir de 2015.  A comitiva governamental seguiu para Murça para a inauguração do centro escolar, em funcionamento desde Janeiro, o primeiro equipamento social da zona norte a ser beneficiado pelas Redes de Nova Geração para as zonas rurais. Trata-se de um projeto do Governo que pretende levar ao Interior a fibra óptica, de que já beneficiam os grandes centros urbanos do Litoral.
O centro escolar de Murça custou 3,2 milhões de euros, acolhe os cerca de 190 alunos do primeiro ciclo do ensino básico e levou ao encerramento das últimas sete escolas primárias do concelho.Sócrates termina o dia com um jantar-debate em Vidago, Chaves, onde vai reunir cerca de 150 autarcas e empresários da região de Trás-os-Montes. O primeiro-ministro voltou a subir ao Túnel do Marão para ver como corriam os trabalhos de construção do maior túnel rodoviário da Península Ibérica, com 5,6 quilómetros, e que se insere na autoestrada entre Amarante e Vila Real.
A obra foi polémica por causa de duas providências cautelares interpostas pela empresa Água do Marão que atrasaram a construção do túnel em oito meses, prevendo-se agora que esteja concluído entre o terceiro e quarto trimestre de 2012.
O investimento na obra é de 350 milhões de euros, nas no total dos 30 anos de concessão será de 456 milhões de euros. Do Marão, José Sócrates seguiu em autocarro pelo Itinerário Principal 4 (IP4) até Bragança, para observar o andamento da obra da Auto-Estrada transmontana, que está a aproveitar 80 por cento do traçado do actual itinerário, onde, na última década, 24 pessoas perderam a vida em média por ano.
Em Bragança, o primeiro-ministro almoçou com jovens da Universidade de Trás-os-Montes, do Instituto Piaget, e dos politécnicos e empreendedores da zona de Bragança. A comitiva do Governo seguiu depois para Vinhais, onde foi inaugurar o Lar de Idosos no Centro Paroquial de Nossa Senhora do Carmo, um equipamento social inserido no Programa Pares, que permitiu dar resposta e apoio à população idosa. A funcionar desde final de Dezembro, este lar custou 650 mil euros e acolhe 15 idosos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.