Dois luso-descendentes ao encontro de Portugal XI – Despedidas Finais

Data:

Bianca Martins e Daniel Amaral têm 25 e 18 anos, respectivamente. Nasceram e vivem na África do Sul, mas têm em comum as mesmas raízes: são primos, filhos de portugueses e mantêm uma forte ligação à terra dos pais. Ao longo de dois meses, O Emigrante/Mundo Português acompanhou-os e apoiou-os na realização de um «sonho»: percorrer Portugal, ao encontro de uma cultura, de tradições e da História de um povo que também é o deles. Uma aventura que chegou ao fim e que não os deixou indiferentes. Neste artigo, Bianca partilha as impressões que Portugal lhe causou e as marcas que ficarão para sempre…

A expressão «o tempo voa» pode soar como um cliché, mas a questão é que não é mentira. Mal posso acreditar que estive longe de casa por seis meses e que já passamos dois desses meses em Portugal. A pequena mas impressionante «van», cedida pelo Emigrante/Mundo Português, serviu-nos à medida e nela viajamos uns espantosos e cansativos 6.500 quilómetros.
A julgar pela quantidade de quilómetros que fizemos, ficou claro que Portugal tem uma quantidade infinita de lugares para ver e descobrir. Portugal uma combinação perfeitamente equilibrada de praias de areia branca, deslumbrantes paisagens a perder de vista, pequenas aldeias, cada um com sua própria história, belas cidades repletas de igrejas, museus e milhões de outras atracções para passarmos o tempo. E como se não fosse suficiente, há ainda a possibilidade de partilhar pequenos prazeres, como entregar-se uma refeição típica portuguesa, ou encontrar voluntários no Convento de Mafra, que dedicam o seu tempo aos outros, contando-lhes a história do lugar.
É o enorme contraste entre as cidades modernas e as aldeias onde ainda se vê homens a «conduzir» burros, que faz esta cultura ser diversificada e fantástica. Houve momentos incríveis e houve tempos difíceis. Quando se está com uma pessoa que nos é muito próxima – durante longos períodos de tempo e debaixo de um calor sufocante – num espaço reduzido, sem ar-condicionado e com um rádio que é tão temperamental como uma criança de dois anos de idade, não é fácil manter a ténue linha entre ser paciente ou perder o totalmente o controle. Mas conseguimos sempre entender-nos. Danny e eu tornamo-nos grandes parceiros de viagem, e continuamos os melhores amigos.
E antes de dizermos adeus à nossa estadia em Portugal – Danny voltaria para a África do Sul e eu seguiria para a próxima etapa de minha viagem – tínhamos ainda de fazer uma última paragem. Era altura de nos despedirmos dos nossos amigos e da família e assim traçamos o nosso caminho de volta a Vila Nova da Tazem. Quando lá chegamos, a nossa avó estava à porta de casa. No ar sentia-mos o cheiro do almoço. Apesar dos seus mais de 80 anos, reuniu energia suficiente para nos preparar pastéis de bacalhau com arroz de tomate e uma bonita salada fresca, colhida na horta de que ela ainda trata.
Ao sentarmo-nos para almoçar, não pude deixar de me levar pelos meus pensamentos. Como já referi noutra crónica, eu adoro esta casa. É pequena e humilde, os quartos podem por vezes parecer um pouco escuros e o cheiro de humidade na madeira com mais de 100 anos, contam a mais bonita das histórias.
A casa foi construída pelo meu bisavô. Cada um dos blocos de granito que compõem a fachada desta casa – assim como os muitos outros das casas da pequena vila – foram meticulosamente colocado à mão. A minha mãe e os seus irmãos nasceram nesta casa, a minha avó lutou aqui arduamente, todos os dias, para criar os filhos, enquanto o meu avô trabalhava em Angola, na esperança de que pudesse dar uma vida melhor à sua família.
Mas não é só a casa que eu adoro. Sempre que ando pelas ruas desta vila, imagino a minha mãe, ainda menina, a brincar com os amigos ou a carregar o balde de leite nas noites frias de inverno – e a beber pequenos goles esperando que ao chegar a casa, a minha avó não notasse que faltava quase metade do leite. Ou como na época do Natal a mesa ficava posta durante dias com a melhor comida que preparavam e o padre vinha abençoar. Eu adoro essas histórias e estar aqui faz-me sentir nostálgica, como essas se fossem as histórias da minha própria infância. É também nesta pequena vila que o meu avô está enterrado, ao lado de irmão e do pai.
Infelizmente, ele faleceu antes de eu nascer e nunca tive a oportunidade de estar com o homem que era conhecido como um dos melhores alfaiates de Angola. Para mim é sempre obrigatório visitar o túmulo do meu avô e imaginar que tipo de homem teria sido. Gosto de ver fotografias suas: faz-se sempre lembrar o Richard Gere, e é muito fácil perceber como a minha avó foi facilmente «apanhada» pela sua boa aparência. Continuar a manter esta casa na nossa família significa que a memória do meu avô e do seu pai vive através dela. E enquanto a preservarmos e mantermos na nossa família, nunca nos esqueceremos da nossa história. Não consigo sequer descrever o quanto isso é importante para mim.
Desta vez, porém, o ambiente ao almoço seria um pouco mais sombrio: dizer adeus é sempre mais difícil e dali a poucas horas estaríamos a dizer adeus aos nossos avós. Essa é uma das piores consequências de viver noutro país: é extremamente difícil estar longe de família. Antes desta viagem, eu podia apenas imaginar como se deve ter sentido a minha mãe, estando tão longe de sua mãe. Mas depois de estar «afastada» de casa por um período tão longo de tempo, vivi essa experiência em primeira-mão. É, no mínimo, absolutamente terrível. O melhor da vida é ter as pessoas que você ama próximas de si, mas infelizmente, para nós a distância é inevitável. Apesar de Portugal ser o país onde os meus pais nasceram, a casa deles, e a minha, está agora na África do Sul.
Também percebi, depois de ter passado esses dois meses em Portugal, que apesar de adorar o país, a sua história, a gastronomia, a verdade é que a minha é onde está o meu «coração», e este está na África do Sul, com os meus pais, a minha irmã, os meus dois sobrinhos lindos e meus amigos. Suponho que é a mesma sensação para a maioria dos emigrantes portugueses: estarem quase divididos entre dois lugares, o país do seu nascimento e o país onde vivem as suas vidas.
No entanto, nem tudo é tristeza. Temos a vantagem de ter o melhor dos dois mundos, não pertencemos apenas a uma cidade e um país, mas conseguimos coexistir entre dois lugares. Eu, por exemplo, tenho a alegria de ser sul-africana, o que significa ser abençoada com toda a beleza natural, as vastas extensões e de todo o mistério da magia e da diversidade cultural que aquele país tem para oferecer. E por outro lado tenho a história, o património, o orgulho (e não posso esquecer a gastronomia incrível) de também ser portuguesa.
Esta jornada foi para ambos, Danny e eu, uma alegria e um prazer. Deixamos o maior agradecimento à equipa do Emigrante/ Mundo Português, e ao Dr. Carlos Morais a quem devemos esta honra. Sem a sua total confiança e apoio à nossa ânsia de explorar, esta viagem não teria sido possível.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.